PUBLICIDADE
Topo

Política

'Não renunciarei', diz Witzel a secretários após operação da PF

Governador do RJ, Wilson Witzel (PSC) - ADRIANO MACHADO
Governador do RJ, Wilson Witzel (PSC) Imagem: ADRIANO MACHADO

Maria Luisa Melo

Colaboração para o UOL, no Rio

26/05/2020 19h46

Indignado com a operação da Polícia Federal para cumprir mandados de busca e apreensão nas suas residências (oficial e pessoal), o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), reuniu-se com secretários na tarde de hoje no Jardim de Inverno do Palácio Guanabara, sede do governo. No encontro, Witzel afirmou que não renunciará ao cargo e reiterou que está sofrendo ataque político da família Bolsonaro.

Segundo secretários ouvidos pelo UOL, o governador disse que continuará "fazendo o seu trabalho" e que os secretários "devem fazer o mesmo". Witzel afirmou que todos estão à vontade para deixar o governo, caso se sintam incomodados com as recentes denúncias contra sua gestão.

"Ele disse: 'Se algum secretário tiver incomodado, pode sair'. Mas todos ficaram calados", contou à reportagem um dos secretários que participou da reunião.

"Ele defendeu que não havia necessidade da operação, que houve exagero. E de que isso poderia ter sido resolvido com um pedido de informações direcionado a ele", acrescentou.

Um outro secretário, do primeiro escalão, contou que Witzel abriu a reunião dizendo que seguirá no governo. "Ele disse que não renunciará", relatou.

Apesar de quase todo o secretariado estar presente, poucos se manifestaram com palavras de apoio ao governador. Um deles foi o chefe da Casa Civil, André Moura.

"André Moura disse que a operação 'foi um ataque à instituição'. Mas a maioria preferiu falar sobre suas secretarias, não quiseram tocar na questão política", acrescentou um outro secretário de primeiro escalão.

Ex-titular da pasta da Saúde (pivô da crise no governo), Edmar Santos —atualmente à frente da Secretaria Extraordinária de Acompanhamento das Ações Governamentais Integradas da Covid-19— não compareceu à reunião. Ele foi um dos alvos da Operação Placebo, autorizada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Altineu Côrtes, da pasta de Meio Ambiente, também não esteva no encontro, mas mandou representante.

Política