PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

Jefferson: Não teria a paciência do Bolsonaro, chamaria as Forças Armadas

Roberto Jefferson participou hoje do UOL Debate - Reprodução
Roberto Jefferson participou hoje do UOL Debate Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

28/05/2020 16h08

O ex-deputado Roberto Jefferson afirmou no UOL Entrevista de hoje que, se ele fosse presidente, ele pediria a intervenção das Forças Armadas como poder moderador. A conversa foi conduzida pelos colunistas do UOL Carla Araújo e Tales Faria.

"Eu pediria o poder moderador, artigo 142 da Constituição. Se eu estou sendo agredido por outro poder, como está sendo o Executivo pelo Judiciário, é direito constitucional do presidente", afirmou o presidente do PTB, dizendo que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem sido muito "paciente" com a questão.

A sugestão do deputado seria "aposentar os onze" ministros da Corte e definir uma nova estrutura via Ato Institucional, prática de decretos da ditadura militar (1964-1985).

Jefferson afirmou ainda que o STF (Supremo Tribunal Federal) está "impedindo o presidente de governar como vem fazendo nos últimos 20 dias", disse.

Para ele, os ministros do STF "têm tentado apequenar a função do presidente da República", em uma defesa clara de Bolsonaro.

Questionado se o plano dele se aproximaria da fala do presidente de hoje, que criticou duramente decisões do Supremo, dizendo que isso "acabou", Jefferson disse que sim.

"É parecido! [Ele quiser dizer] Chega de pisar no pisar no meu pé. Ele deu um basta. Do jeito que está vai para rua vamos ter derramamento de sangue já, já", avalia.

Falando em nome do presidente, Jefferson disse ainda que Bolsonaro não teria a intenção de usar "a medida do artigo 142 contra o congresso", mas afirmou que nem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, nem o do Senado, Davi Alcolumbre, estão à altura de seus cargos.

Dois anos sem falar com Bolsonaro

O ex-deputado disse que as opiniões dele são pessoais, e que não tem qualquer contato Bolsonaro desde que ele foi eleito em 2018. "Faz dois anos que não falo com o presidente, eu dou minha opinião. Talvez as ideias cheguem ao presidente, mas não tenho interlocutor, nem converso diretamente com ele", conta.

Contudo, o jornal O Globo informou no dia 19 de maio, que Jefferson almoçou com Bolsonaro e com o ator Mário Frias, então cotado para assumir a Secretaria Especial de Cultura.

"Isso é fake news. Quem esta na foto é o Mário Frias. Eu estou em casa. Na hora em que aconteceu, eu disse: 'estou aqui. Eu estou de bigode. vocês não me viram de bigode?'. Foi fake news e a Globo não desmentiu", alegou Jefferson.

Participaram desta cobertura Emanuel Colombari, Beatriz Sanz (redação) e Diego Henrique de Carvalho (produção).

Política