PUBLICIDADE
Topo

Prisão domiciliar de Queiroz tem pergunta na porta: "Não trouxe cerveja?"

10.jul.2020 - Chinelos na porta e tapete com mensagem "Não trouxe cerveja?" - Reprodução
10.jul.2020 - Chinelos na porta e tapete com mensagem "Não trouxe cerveja?" Imagem: Reprodução

Herculano Barreto Filho

Do UOL, no Rio

11/07/2020 04h00Atualizada em 11/07/2020 13h42

Resumo da notícia

  • Queiroz deixou Bangu para ficar em imóvel com 3 quartos, suíte e varanda gourmet
  • Condomínio tem piscina, churrasqueiras, academia e espaço para atividades
  • Queiroz foi visto pela última vez por moradores na festa de Carnaval do condomínio

Em frente à porta do apartamento 508, havia ontem um par de chinelos e um tapete onde se lê: "Não trouxe cerveja?". É no imóvel onde Fabrício Queiroz cumpre desde sexta-feira (10) prisão domiciliar. Ele fica em um dos blocos do edifício Guess, no bairro da Taquara, na zona oeste do Rio.

Depois de passar três semanas no presídio Petrolino Werling de Oliveira, conhecido como Bangu 8, no Complexo de Gericinó, o policial militar aposentado foi transferido ontem à noite para o seu apartamento, onde será monitorado com o auxílio de tornozeleiras eletrônicas. O UOL foi ao local e conversou com moradores, que lembram ter visto Queiroz pela última vez na festa de Carnaval do condomínio.

O ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) deixou a cela de 6 m² no presídio de Bangu para ficar detido em um apartamento de 83 m². O imóvel tem varanda gourmet, três quartos e suíte. De acordo com moradores, está avaliado em cerca de R$ 480 mil.

A esposa de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, que também teve a prisão preventiva decretada, foi beneficiada por decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) para ficar detida em casa. O casal é suspeito de envolvimento em um suposto esquema de rachadinha na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), quando atuavam no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

O STJ concedeu o benefício a eles na quinta-feira (9) por causa do estado de saúde de Queiroz, que enfrentou um câncer. O STJ entendeu que a presença dela é recomendável para o ex-assessor de Flávio. Ela se apresentou ontem à noite e já está em casa com o marido, segundo o jornal Folha de S.Paulo.

Queiroz comprou imóvel na planta, dizem vizinhos

O conjunto de prédios com 180 apartamentos fica na rua Meringuava, uma das principais vias da região. Mas é raro ver pessoas caminhando pela calçada em um cenário bem diferente do que se vê nas regiões mais movimentadas do Rio.

Um velho carro de som que anunciava o valor dos produtos de um mercado rodava lentamente, com o pisca-alerta ligado. Em alguns minutos, retornava. Havia até uma carroça, puxada por um cavalo em meio aos carros. Não há comércios no entorno. Apenas uma loja de material de construção. Em frente, uma viatura da Polícia Militar permanecia estacionada sobre a calçada.

O edifício Guess contrasta com os outros imóveis da rua, já envelhecidos. As obras no conjunto de prédios com piscina, academia, churrasqueiras e quadra esportiva só foram concluídas em abril de 2019, quando chegaram os primeiros moradores.

Queiroz deixa presídio

Band Notí­cias

Entre eles, Queiroz, que comprou o imóvel ainda na planta, segundo vizinhos. Ontem, havia grande circulação de profissionais fazendo obras nos imóveis e até de pessoas interessadas nos apartamentos ainda disponíveis.

A reportagem conversou com ao menos três pessoas que ainda se preparavam para morar lá. A chegada de Queiroz, inclusive, virou assunto no grupo dos moradores pelo WhatsApp.

Entre os moradores, era conhecido só como Fabrício

Nos últimos meses, a filha Nathália Melo de Queiroz, ex-assessora do gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados e também investigada no inquérito da rachadinha, estava morando no local. Vizinhos relatam que costumam vê-la saindo para passear com o cachorro.

Queiroz frequentava a piscina e a sauna do prédio sempre à vontade, de bermuda e chinelo. Só era visto com mais frequência nos finais de semana. "Achava que ele trabalhava viajando", disse um morador.

Ele foi visto pela última vez no condomínio, onde era conhecido apenas como Fabrício, durante o Carnaval, no fim de fevereiro.

Ele aparecia nas festinhas do condomínio. Estava sempre com a filha. Apareceu pela última vez no Carnaval. Depois, sumiu. Achei que tinha viajado. Não tinha ideia de quem ele era

Vizinha, que não se identificou

Queiroz, tido como um sujeito simpático que gostava de ver o filho jogando bola na quadra do condomínio, agora voltou. Mas para ficar preso dentro do próprio apartamento, com uma tornozeleira eletrônica para monitorar os seus passos.