PUBLICIDADE
Topo

Política

Flávio recebeu 1.512 depósitos suspeitos em loja de chocolates, diz TV

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

20/08/2020 21h47

O senador Flávio Bolsonaro teria recebido 1.512 depósitos suspeitos entre março de 2015 e dezembro de 2018 na conta de sua franquia de uma rede de chocolates, apontou hoje reportagem do Jornal Nacional. O MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) suspeita que o negócio seja usado para fazer lavagem de dinheiro.

Dados bancários revelados pela TV Globo mostram depósitos sucessivos, em dinheiro vivo, com os mesmos valores, sempre redondos.

Há, por exemplo, 63 depósitos seguidos de R$ 1,5 mil, 63 de R$ 2 mil e 74 de R$ 3 mil — este último valor é o mais alto permitido para transações em espécie, no caixa eletrônico, no banco em que os depósitos teriam sido feitos.

Em 12 datas diferentes, há dezenas de depósitos fracionados no valor máximo; em 28 de novembro de 2016, 7 depósitos fracionados de R$ 3 mil, totalizando R$ 21 mil; em 18 de dezembro de 2017, 10 depósitos de R$ 3 mil, somando R$ 30 mil; e em 25 de outubro de 2018, 11 depósitos de R$ 3 mil, total de R$ 33 mil.

Na época, segundo o Jornal Nacional, qualquer depósito em espécie acima de R$ 10 mil deveria ser reportado às autoridades, justamente para evitar lavagem de dinheiro. Depósitos fracionados, no entanto, driblariam a fiscalização.

A loja foi comprada no início de 2015 e, nos dois primeiros meses, Flávio fez uma retirada de lucro de R$ 180 mil. Seu sócio não fez retirada nenhuma.

O MPRJ diz que depósitos são desproporcionais ao faturamento da loja e que coincidem com o período em que Fabrício Queiroz arrecadava parte dos salários dos seus servidores da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), no esquema de "rachadinha".

A defesa de Flávio Bolsonaro nega qualquer irregularidade, diz que as informações já foram prestadas ao MP e que não pode comentar um processo que corre em sigilo. A defesa de Queiroz, por sua vez, disse que nunca trabalhou na loja de chocolates do senador e que desconhece fatos ligados à administração da franquia.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado no penúltimo parágrafo, os servidores da Alerj seriam as pessoas que repassavam parte dos salários para Fabrício Queiroz, e não os promotores. A informação foi corrigida.

Política