PUBLICIDADE
Topo

Política

Carlos Viana (PSD) confirma que será vice-líder do governo no Senado

O senador Carlos Viana (PSD-MG) durante reunião da Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) - Edilson Rodrigues/Agência Senado
O senador Carlos Viana (PSD-MG) durante reunião da Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

24/11/2020 17h38Atualizada em 24/11/2020 17h54

O senador Carlos Viana (PSD-MG) confirmou hoje que será vice-líder do governo no Senado. Ele se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Palácio do Planalto para comunicar ter aceitado o convite, entre a discussão de outros temas. A expectativa é que a decisão seja oficializada no Diário Oficial da União até amanhã, informou.

"O presidente fez o convite pessoalmente e aceitei. Naturalmente, quero colaborar. É uma experiência nova para mim e, principalmente, me sinto muito honrado em trabalhar com o [líder] Fernando Bezerra. Me propus junto ao presidente a ajudar naquilo que for possível', declarou ao UOL.

Viana trabalhará ao lado dos senadores Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), que atua como líder do governo na Casa, e de Elmano Férrer (PP-PI) e de Eduardo Gomes (MDB-TO), que já são vice-líderes. O último é também líder do governo no Congresso Nacional.

Embora não haja número fixo de vagas, uma das vagas mais recentes na vice-liderança do governo no Senado era ocupada pelo senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado pela Polícia Federal com dinheiro na cueca. Após repercussão negativa, ele foi dispensado pelo presidente da República.

Ele elencou como prioridades a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial para até o final do ano e a reforma tributária para 2021.

"Já começamos a discutir o calendário para a reforma tributária possível nos próximos meses. A ideia é que a gente volte a trabalhar a reforma em partes. Primeiro, sobre a unificação dos impostos. Possivelmente, depois, outras [propostas] mais abrangentes", disse.

O senador disse que extrapolar o teto de gastos está fora de cogitação. Para 2021, também estão na mesa para o Senado a abrangência da reforma administrativa, mandato para ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e regularização fundiária.

No encontro, Carlos Viana convidou Bolsonaro a ir a Minas Gerais para assinar ordem de serviço para obras de asfalto em trecho da BR-367 entre Jacinto e Salto da Divisa. Segundo Viana, Bolsonaro aceitou o convite e deve ir a Minas no início de dezembro.

Política