PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Pichação do termo 'genocida' é apagada antes de Bolsonaro chegar em Chapecó

Centro Avançado de Atendimento Covid-19 foi pichado com o termo "genocida", em Chapecó - Reprodução/Redes
Centro Avançado de Atendimento Covid-19 foi pichado com o termo 'genocida', em Chapecó Imagem: Reprodução/Redes

Rayanne Albuquerque e Tarla Wolski

Do UOL em São Paulo e colaboração para o UOL, em Chapecó

07/04/2021 13h39Atualizada em 07/04/2021 13h52

O Centro Avançado de Atendimento Covid-19, em Chapecó, Santa Catarina, foi pichado durante a madrugada com a palavra "genocida".

O termo tem sido utilizado por opositores em referência ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) diante da condução da pandemia no país. O local foi visitado hoje pelo chefe do Executivo e a pichação foi apagada antes dele chegar.

Em Chapecó, o presidente esteve ao lado do prefeito João Rodrigues (PSD), e disse que está se "lixando para 2022" e que não pretende adotar um lockdown no Brasil.

Bolsonaro voltou a defender o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para combater a covid-19, como a cloroquina.

"Hoje têm aparecido medicamentos ainda não comprovados que estão sendo testados, e o médico tem essa liberdade, tem que ter", disse o presidente, que citou o uso off-label — aquele prescrito pelo médico, mas que diverge das indicações da bula.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu ontem um comunicado alertando sobre o uso indiscriminado de medicações e sobre efeitos adversos.

Alguns pacientes que utilizaram o chamado "kit covid", que contém azitromicina e a cloroquina, foi apontado como causador de hepatite medicamentosa em pacientes hospitalizados em São Paulo.

Ao mesmo tempo, o presidente reconheceu que o Brasil está "isolado mundialmente", mas alegou que não dá importância para os possíveis danos à sua biografia.

"Eu acho que eu sou o único líder mundial que apanha isoladamente. O mais fácil é ficar do lado da massa, na grande maioria, você evita problemas. Não é acusado de genocida e não sofre ataques por parte de gente que pensa diferente de mim", disse Bolsonaro.

O país ultrapassou ontem a marca de 4 mil mortes por covid-19 notificadas em 24 horas.

Política