PUBLICIDADE
Topo

Política

Bolsonaro lamenta morte de Paulo Gustavo: 'Que Deus o receba com alegria'

Do UOL, em São Paulo

05/05/2021 00h41Atualizada em 05/05/2021 16h51

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) lamentou na madrugada de hoje a morte do ator Paulo Gustavo, em decorrência da covid-19. Ele estava internado desde 13 de março.

Bolsonaro ainda mandou mensagem para as famílias que tiveram que lidar com a covid-19, que já vitimou mais de 410 mil pessoas.

"Meus votos de pesar pelo passamento do ator e diretor Paulo Gustavo, que com seu talento e carisma conquistou o carinho de todo Brasil. Que Deus o receba com alegria e conforte o coração de seus familiares e amigos, bem como de todos aqueles vitimados nessa luta contra a covid", escreveu nas redes.

Na manhã de hoje, Bolsonaro também comentou, em conversa com apoiadores, a morte de Paulo Gustavo. "A gente lamenta a morte dele, uma pessoa que todo o Brasil acompanhava e deixou uma história. Lamento a morte, como a de todos no Brasil. A gente pede a Deus que conforte sua alma no céu e dos familiares aqui na Terra", disse.

Outros políticos também prestaram homenagens ao humorista. No Twitter, eles prestaram solidariedade à família do ator e destacaram sua contribuição para a cultura nacional.

Histórico da internação

No hospital, o humorista ficou em estado grave e foi tratado com ECMO, uma espécie de pulmão artificial. Ontem, ele teve fístulas que causaram o vazamento de ar do pulmão e desencadearam uma embolia gasosa —quando vasos sanguíneos são obstruídos por bolhas de ar.

O boletim de ontem indicava que a situação clínica era "instável e de extrema gravidade". Após a piora, diversos amigos mandaram mensagens de apoio para o humorista, como Tatá Werneck, Ingrid Guimarães e Mônica Martelli. Hoje, mais cedo, a equipe do humorista informou que o quadro era "irreversível".

Paulo Gustavo deixa o marido, o médico Thales Bretas, e dois filhos, Gael e Romeu. O comediante, famoso pela personagem Dona Hermínia, foi um caso raro de sucesso em todas as mídias e é dele o recorde de filme que mais faturou em bilheteria na história do cinema nacional. "Minha Mãe É uma Peça 3" levou mais de 11,5 milhões de espectadores às salas do país e rendeu mais de R$ 180 milhões.

Política