PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Doria é vacinado com CoronaVac e ironiza Bolsonaro: ‘Não virei jacaré’

Doria foi vacinado contra a covid-19 pela enfermeira Mônica Calazans - Lucas Borges Teixeira/UOL
Doria foi vacinado contra a covid-19 pela enfermeira Mônica Calazans Imagem: Lucas Borges Teixeira/UOL

Lucas Borges Teixeira e Rafael Bragança

Do UOL, em São Paulo

07/05/2021 16h19Atualizada em 07/05/2021 19h17

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi vacinado contra a covid-19 na tarde de hoje em São Paulo. Com 63 anos, Doria está habilitado a tomar a primeira dose desde a semana passada, mas adiou a aplicação para cumprir um intervalo recomendado de 15 dias após tomar a vacina da gripe. Ele e a primeira-dama Bia Doria tomaram a primeira dose da CoronaVac, a vacina envasada pelo Instituto Butantan, instituição ligada ao governo paulista.

Horas após ser vacinado, Doria ironizou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ao postar a seguinte mensagem: "Esperei minha vez, entrei na fila do posto de saúde e fui vacinado aos 63 anos. E não virei jacaré kkk".

Ele fez reverência a uma declaração que Bolsonaro deu em dezembro, quando disse: "Lá no contrato da Pfizer, está bem claro nós (a Pfizer) não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral. Se você virar um jacaré, é problema seu".

1ª pessoa vacinada no Brasil aplicou a dose em Doria

Doria foi vacinado pela enfermeira Mônica Calazans, a primeira pessoa a receber a vacina contra a covid-19 no estado e no país, em janeiro. Ele e Bia receberam a aplicação em uma unidade pública de saúde em Pinheiros, na Zona Oeste da capital.

Segundo a unidade, a CoronaVac era a vacina da vez, apesar de também estarem disponíveis no local a vacina de Oxford/AstraZeneca e a vacina da Pfizer/BioNTech, que começou a ser aplicada na capital ontem.

das - Lucas Borges Teixeira/UOL - Lucas Borges Teixeira/UOL
Primeira-dama Bia Doria foi vacinada antes do governador
Imagem: Lucas Borges Teixeira/UOL

O governador deverá tomar a segunda dose no dia 4 de junho. "Tomarei aqui, nesse posto", declarou.

Bia Doria foi vacinada minutos antes do governador. Ambos pegaram a fila na unidade de saúde antes de se vacinarem, e o governador publicou uma foto do momento nas redes sociais.

dsa - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
João Doria e Bia Doria aguardam na fila para serem vacinados
Imagem: Reprodução/Twitter

O governo iniciou ontem a vacinação de pessoas a partir de 60 anos. Doria poderia ter se vacinado na última semana, quando só havia vacinas da Oxford/AstraZeneca disponíveis, mas, como tomou a vacina da gripe no dia 29 de abril, precisava esperar uma janela de duas semanas.

Após tomar a vacina, Doria gravou um vídeo para suas redes sociais ao lado de Mônica Calazans. Ele brincou que recebeu o imunizante "com a calça apertada", em referência a um apelido pejorativo que apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) começaram a utilizar para se referirem ao governador.

Falta de CoronaVac

O estado de São Paulo vem sofrendo com falta da CoronaVac —produzida pelo Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac— para a aplicação da primeira dose. Em algumas cidades, ela está em falta até para a segunda dose.

"O planejamento é rigoroso. Trabalhamos de uma forma que toda entrega de D1 [primeira dose] esteja disponível para D2 [segunda dose]. O Ministério [da Saúde], em um momento, liberou usar a D2 como primeira dose. O estado de São Paulo não preconizou", justificou Regiane de Paula, coordenadora do PEI (Programa Estadual de Imunização), sobre a disponibilidade da CoronaVac para a primeira dose.

"Distribuímos hoje mais doses de CoronaVac [para as unidades de saúde] em São Paulo. A capital tem, hoje, em especial, alta disponibilidade da Pfizer por causa das últimas remessas, mas há diversos postos com as três, como este. O cidadão deve tomar a que estiver aberta na sua vez", explicou a coordenadora do PEI.

Protesto

O governador paulista ouviu ainda um protesto por parte de um morador em meio à coletiva de imprensa, na unidade de saúde, após a vacinação.

"Cade os hospitais de campanha? Por que fecharam os hospitais de campanha?", gritou um cidadão ao governador, que questionava as posições do governo federal no combate à pandemia. Doria o ignorou.

No estado de São Paulo, a imunização contra a covid-19 chegou à última fase de vacinação dos idosos, com pessoas entre 60 e 62 anos começando a imunização ontem. O governo paulista ainda anunciou novas datas para pessoas com deficiência e também com comorbidades, que incluem também grávidas e puérperas.

Hoje, a gestão de Doria anunciou o avanço na vacinação de pessoas com comorbidades relacionadas à covid-19 abaixo de 59 anos. Após marcar para a próxima quarta-feira (12) a vacinação da faixa etária entre 55 e 59 anos, hoje o governo agendou para o dia 14 o início da imunização para pessoas com comorbidades entre 50 e 54 anos.

Política