PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

'Distorção', diz ministro após post sobre 500 mil mortos por covid

Ministro das Comunicações, Fábio Faria durante videoconferência com o Grupo Santander - Cléverson Oliveira/Ministério das Comunicações
Ministro das Comunicações, Fábio Faria durante videoconferência com o Grupo Santander Imagem: Cléverson Oliveira/Ministério das Comunicações

Do UOL, em São Paulo

21/06/2021 21h36

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, disse que houve "distorção de fatos" após a publicação de post nas redes sociais, no qual criticava quem lamentava a marca de 500 mil mortes em decorrência da covid-19, atingida pelo Brasil no último fim de semana.

"É importante que isso mostra que nós estamos com um Brasil totalmente dividido, onde querem politizar até a dor. No momento em que morrem 500 mil pessoas, não é só quem apoia o Bolsonaro ou quem é contra o Bolsonaro, que tem coração. Todos nós sofremos. Todos nós perdemos um amigo, um parente, alguém próximo. O que existe é uma distorção dos fatos", afirmou ele, durante entrevista à GloboNews, na noite de hoje.

"Então, por isso que eu coloquei entre aspas, aspas significam que todos lamentam. O Brasil todo lamenta. Os 213 milhões de brasileiros, mas que iria ter ali um movimento de lamentações de todos. Só que alguns deles iam lamentar as mortes e outros iriam usar aquilo como política", salientou.

O ministro acrescentou ainda que perdeu para a doença um "grande amigo", que foi padrinho em seu casamento. Além disso, um tio dele faleceu por covid-19 há cerca de um mês. O parente, salientou Faria, havia tomado a primeira dose da vacina contra o coronavírus. "E ninguém saiu culpando ninguém, porque todos nós estamos sendo acometidos por isso. Quase 4 milhões de pessoas que morreram no mundo.

+ Sakamoto: 'Diante de 500 mil mortos, ministro pede que olhemos o lado bom da vida'

Após ultrapassar a marca de 500 mil mortes pela covid-19, no sábado, o Brasil completou cinco dias consecutivos com tendência de alta na média móvel de óbitos. Hoje foram registradas 899 novas mortes, mas a média de sete dias continua acima de 2.000 óbitos por dia.

O total de óbitos chegou a 502.817 nesta segunda-feira (21). Além disso, 43.413 mil novos diagnósticos foram feitos nas últimas 24 horas, totalizando 17.969.806 casos da doença. Os dados são obtidos pelo consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte, junto às secretarias estaduais de saúde.

Apesar do número menor de óbitos hoje —comum de ocorrer após fins de semana e feriados, quando os dados ficam represados—, a média móvel ficou em 2.059. Já é o sexto dia seguido acima de 2.000. O índice de hoje é 20% maior do que o de 14 dias atrás, o que representa tendência de aceleração.

Política