PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
6 meses

'Paralelo não era o gabinete, era o Ministério da Saúde', acusa Renan

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid - Adriano Machado/Reuters
O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid Imagem: Adriano Machado/Reuters

Rayanne Albuquerque, Gabriel Toueg e Leticia Simionato

Do UOL e colaboração para o UOL, em São Paulo

28/06/2021 11h18Atualizada em 28/06/2021 12h03

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), comentou no UOL Entrevista sobre o que classifica como falta de colaboração do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Em entrevista a Josias de Souza e Tales Faria, o relator da CPI da Covid declarou que o ministro "precisa colaborar".

Queiroga está muito mal. Ele tem procurado se equilibrar, tem se agarrado ao cargo, mentiu muito no primeiro e no segundo depoimentos e tem procurado obscurecer tudo o que a a comissão quer investigar."
Renan Calheiros

Segundo Calheiros, a CPI já comprovou a existência de um gabinete paralelo que atuava orientando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), assim como "a tese da imunidade de rebanho que foi procurada e o presidente continua a procurar".

Para o parlamentar, o que existe, na realidade, é um Ministério da Saúde paralelo, e não apenas um gabinete — como apontam os depoimentos colhidos pelo colegiado.

O Queiroga precisa colaborar, ele não vai fazer diferentemente do que fizeram [os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique] Madetta e o [Nelson] Teich, de se segurar no ministério, porque agora se sabe que paralelo não era o gabinete das sombras, paralelo era o ministério, porque o gabinete despachava com o presidente sobre políticas públicas, tratamento precoce. O gabinete priorizava despesas em detrimento do ministério, dos ministros que tentaram enfrentar o gabinete caíram. Talvez por isso o Queiroga prefira ser ministro do Ministério da Saúde paralelo
Renan Calheiros

De acordo com Renan, o depoimento do deputado Luís Miranda (DEM-DF) indica que há mais elementos que podem comprometer Bolsonaro. Hoje, à Folha de S.Paulo, Miranda afirmou que o esquema de corrupção pode ser "muito maior" que o caso da Covaxin.

Eu fiz uma pergunta ao deputado Luis Miranda: quando o senhor falou com o presidente sobre a Covaxin, qual foi a impressão que colheu? Você acha que ele já sabia desse asssunto? E ele disse: 'Ah, senador, sabia tudo. Sabia até quem era o líder disso'. Ele respondeu isso na CPI."
Renan Calheiros

Política