PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Carlos Bolsonaro usa fala distorcida para rebater filho de Bruno Covas

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) usou informação deturpada para rebater Tomás Covas - Jorge Hely/Framephoto/Estadão Conteúdo
O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) usou informação deturpada para rebater Tomás Covas Imagem: Jorge Hely/Framephoto/Estadão Conteúdo

Colaboração para o UOL

03/08/2021 15h19Atualizada em 03/08/2021 15h52

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) usou uma declaração distorcida de Bruno Covas para rebater o filho do ex-prefeito de São Paulo, Tomás Covas, após o adolescente chamar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de "covarde".

A declaração foi dada após ataques proferidos pelo chefe do Executivo Federal ao tucano, que morreu em maio passado, aos 41 anos, em decorrência de um câncer.

Por meio de seu perfil no Twitter, Carlos compartilhou o link de um site conhecido por divulgar fake news, que distorceu uma fala do ex-prefeito em entrevista ao programa "Roda Viva", no ano passado, durante a disputa pela prefeitura de São Paulo.

Na ocasião, a apresentadora Vera Magalhães questionou a Bruno Covas se o câncer contra o qual ele estava em tratamento poderia surtir o mesmo efeito que a facada sofrida por Jair Bolsonaro durante as eleições de 2018.

Como resposta, o então candidato à reeleição disse que "a melhor coisa da facada foi ter tirado Bolsonaro do debate". O site deturpou a fala do tucano, e disse que ele havia sido "irônico", "minimizado" e dado " a entender que a tentativa de homicídio contra Bolsonaro funcionou como uma 'jogada política'".

Entenda

Durante interação com apoiadores na porta do Palácio do Planalto ontem, o presidente Jair Bolsonaro criticou Bruno Covas por ter levado o filho, Tomás Covas, para assistir à final da Taça Libertadores da América, em janeiro deste ano, a fim de prestigiar a partida entre Santos e Palmeiras — o ex-prefeito era torcedor do clube da baixada santista.

"O outro que morreu, fecha São Paulo, e vai assistir Palmeiras e Santos no Maracanã... Esse é o exemplo", disse Bolsonaro, que também atacou o governador paulista, João Doria (PSDB), referindo-se ao episódio em que o tucano viajou para Miami durante a pandemia de coronavírus.

À colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, Tomás disse lamentar os ataques do presidente a seu pai, e chamou Bolsonaro de "incompetente e negacionista".

"Em uma fala covarde hoje, durante a tarde, ele atacou quem não está mais aqui conosco, não dando o direito de resposta ao meu pai. Além disso, cumprimos com todos os protocolos no estádio do Maracanã, utilizando a máscara e sentando apenas nas cadeiras permitidas", afirmou.

"Uma tristeza as agressões vazias do presidente contra meu pai. Não é certo atacar quem não está mais aqui para se defender. Meu pai sempre foi um homem sério e fez questão de me levar ao Maracanã no fim da sua vida para curtirmos seus últimos momentos juntos. Isso é amor! Bolsonaro nunca entenderá esse sentimento", completou.

João Doria também criticou a fala de Jair Bolsonaro, a quem ele chamou de "desumano". O PSDB igualmente condenou a declaração do presidente. "Bolsonaro demonstra desespero e medo do próximo ano, por isso desfere ataques, inclusive, aos que não podem se defender", diz o comunicado, assinado pelo presidente do diretório paulistano da legenda, Fernando Alfredo.

Política