PUBLICIDADE
Topo

Política

Josias: Bolsonaro trata fake news com 'hedionda naturalidade'

Colaboração para o UOL, no Rio

15/09/2021 10h15Atualizada em 15/09/2021 10h28

O colunista do UOL Josias de Souza disse hoje no UOL News que, ao defender as fake news em discurso no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) trata do assunto com "hedionda naturalidade".

"Nesse discurso para dezenas de pessoas no Palácio, o mito tratou o flagelo das fake news, que é o câncer da modernidade, com hedionda naturalidade. Ele compara esse termo que se alastra pelas redes sociais como uma mentirinha inocente, coisa que você conta para a namorada. Ao contrário do que o Bolsonaro tenta fazer crer, é crime difundir deliberadamente mentira, mensagens de ódio e ataques às instituições pelas redes sociais", afirmou Josias.

Ontem, Bolsonaro afirmou que as "fake news fazem parte da nossa vida" e defendeu que não é necessário que o governo crie uma forma de regular o tema. Em tom jocoso, o presidente comparou a questão como uma "mentirinha para a namorada".

O bom apelido para o Bolsonaro seria mentiroso. O Bolsonaro não tolera corrupção, ama democracia e sempre foi a favor de vacina. O único defeito dele é que ele mente um pouco
Josias de Souza

Na última semana, Bolsonaro chegou a editar uma MP (Medida Provisória) impedindo as redes sociais de apagarem conteúdo por violação de regras, o que, na prática, dificultaria o combate à desinformação. Ontem à noite, no entanto, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), decidiu devolver a MP ao Planalto, tornando-a sem feitos.

"Teorias conspiratórias aniquilam instituições, estímulos à agressão exterminam reputações, posições anticientíficas matam as pessoas. Nas redes sociais, a falsidade, o ódio e o charlatanismo são extremamente lucrativos, remuneram criminosos pelo número de cliques. A mentira, no caso do presidente Bolsonaro, produziu cadáveres. Não é uma coisa inocente, não é mentirinha que você conta para a namorada. É coisa muito séria", afirmou Josias.

Moderação do presidente

Josias também comentou o tom moderado adotado por Bolsonaro em seus discursos desde a divulgação, na última quinta-feira, 9, de uma carta aberta em que exaltou as instituições brasileiras, após ataques golpistas nos protestos de 7 de setembro. Para o colunista do UOL, o presidente voltará a se exaltar.

Temos uma contagem regressiva. O Bolsonaro tem três décadas de vida política, passou 27 anos no Parlamento. Durante esses 27 anos, ele jamais, nenhuma vez, se sentou ao redor de uma mesa para negociar alguma coisa. Ele sempre se especializou em virar a mesa. Uma pessoa que se comportou assim durante três décadas, não muda do dia para a noite
Josias de Souza

O colunista afirmou ainda que a atual postura do presidente é uma "fantasia", que "a qualquer momento vai se desmanchar". Para ele, Bolsonaro "vai se consolidando como a primeira piada a presidir o país".

"E quando uma piada exibe um mandato tão precário e esse mandato é prolongando por tanto tempo, o humor vai adquirindo vida própria e escapa inclusive das mãos de profissionais como Michel Temer, que tentam controlar a piada, e o humor acaba se tornando humor negro", disse Josias.

Política