PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
15 dias

Deputado defende que jogo do bicho ajudou a 'formar caráter' nacional

Deputado federal Bacelar é coordenador do grupo de trabalho que analisa o marco regulatório dos jogos no Brasil - Divulgação/Agência Câmara
Deputado federal Bacelar é coordenador do grupo de trabalho que analisa o marco regulatório dos jogos no Brasil Imagem: Divulgação/Agência Câmara

Do UOL, em São Paulo

27/09/2021 08h06

O deputado federal Bacelar (Podemos-BA) defendeu, em entrevista ao site Metrópoles, a liberação do jogo de bicho no Brasil argumentando que a prática, hoje considerada contravenção, "teve um papel importante na formação do caráter e da sociedade brasileira".

Bacelar é o coordenador do grupo de trabalho que analisa o PL 442/91 na Câmara, projeto de lei que trata sobre o marco regulatório dos jogos no Brasil. O texto foi aprovado em comissão especial da Câmara em 2016 e, desde então, aguarda votação no Plenário. Ele legaliza e regulamenta as atividades de cassinos, jogo do bicho e bingos no País, inclusive o funcionamento de máquinas de videobingo, caça níqueis, apostas e jogos online.

De acordo com o deputado, a clandestinidade do jogo leva à corrupção e uma liberação teria um efeito positivo.

"Nós queremos modificar esse quadro. Eu diria que o jogo do bicho, ao lado da cachaça e do samba, são as únicas coisas genuinamente brasileiras, é um patrimônio cultural do país também. Ajudou a formação desse país. O jogo do bicho tem um papel importante na formação do caráter e da sociedade brasileira", disse.

Bacelar ainda disse que uma possível liberação do jogo do bicho teria impacto no mercado de trabalho.

"Se legalizarmos o jogo do bicho hoje, dentro de 30 dias 400 mil brasileiros terão suas carteiras de trabalho assinadas, porque são os apontadores do jogo do bicho. São 400 mil brasileiros que não têm acesso aos benefícios trabalhistas porque atuam numa atividade considerada contravenção", disse.

O jogo do bicho foi incluído na Lei das Contravenções Penais em 1941.

Política