PUBLICIDADE
Topo

Política

'Lamentável', diz prefeito de Araraquara (SP) após fake news de Bolsonaro

Bolsonaro                              - ISAC NÓBREGA/PR
Bolsonaro Imagem: ISAC NÓBREGA/PR

Do UOL, em São Paulo

14/01/2022 21h15

O prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva (PT), reagiu às críticas e a suposta fake news disseminada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) durante entrevista a uma rádio, nesta sexta-feira (14).

"Bolsonaro mais uma vez me ataca com a disseminação de mentiras e fake news", escreveu o prefeito em seu perfil nas redes sociais.

Na entrevista, concedida à rádio Uirapuru, do Ceará, Bolsonaro questionou a reeleição de Silva, que é ex-ministro-chefe da Secom (Secretaria de Comunicação) no governo de Dilma Rousseff (PT), e disse que a população local teria passado fome e comido "gatos e cachorros" depois da realização de lockdown devido à pandemia.

A cidade de Araraquara decretou o primeiro lockdown em 21 de fevereiro. Os casos caíram 66,2% na cidade e, as internações, 24%, 50 dias após o lockdown. As mortes, por sua vez, caíram 62%, segundos números apresentados pela prefeitura.

"O prefeito fez barbaridades, botou a guarda municipal para patrulhar as ruas todas, mantendo o povo dentro de casa. Se não é o presidente da Ceagesp, coronel da polícia militar de São Paulo, socorrer com comboio de alimento a cidade, o pessoal tinha morrido de fome. Lá, inclusive, o pessoal comeu cães e gatos, porque não tinha o que comer", afirmou Bolsonaro, na entrevista.

Nas redes sociais, Edinho Silva rebateu a fala do chefe do Executivo e chamou a afirmação de fake news.

"Prefeitura lamenta e reforça que se trata de mais uma fake news. Notícia mentirosa propagada por quem deveria coibir essa prática. Não há na cidade registro sobre essa denúncia envolvendo 'gatos e cachorros como alimentos', ou mesmo algo semelhante. Inclusive, a Prefeitura e os órgãos de fiscalização jamais localizaram os autores dessa denúncia. Ao contrário, Araraquara investe fortemente na política de assistência, segurança alimentar e combate à fome, além dos vários programas de combate ao desemprego e qualificação profissional", diz Silva.

"É lamentável o uso político da pandemia. São mais de 621 mil famílias enlutadas no país e, em vez de focar-se nas medidas, que segundo a ciência, são remédios para este enfrentamento —o distanciamento social e a vacina—, se gasta tempo fazendo politicagem, criando fake news e usando de instituições do Estado Brasileiro para fazer disputa partidária e divulgar mentiras", acrescenta o prefeito.

Política