Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Sem citar escândalo no MEC, Bolsonaro diz ter 'exército de 200 milhões'

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

25/06/2022 12h13Atualizada em 25/06/2022 13h03

O presidente e pré-candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) afirmou hoje a apoiadores que considera 'ter um exército que se aproxima de 200 milhões de pessoas'. A declaração ocorreu em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, onde o governante participou de um evento evangélico. Durante o discurso, o chefe do Executivo federal não fez qualquer menção à prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, investigado por indícios de tráfico de influência e corrupção na pasta.

Em tom golpista, mas sem esclarecer o seu raciocínio com detalhes, Bolsonaro voltou a dizer que 'tomará decisões' que, segundo ele, 'precisam ser tomadas'. De acordo com o seu entendimento, adversários jogam 'fora das quatro linhas da Constituição' e, 'cada vez mais', 'parece que será preciso' [em referência a potenciais medidas].

"Sempre tenho falado das quatro linhas da Constituição. Tenho certeza que, se preciso for, e cada vez mais parece que será preciso, nós tomaremos as decisões que devam ser tomadas [sic]. Porque cada vez mais eu tenho um exército que se aproxima dos 200 milhões de pessoas nos quatro cantos desse Brasil", declarou.

"Não podemos esperar chegar 2023 ou 2024 e olhar para trás, nós aqui, e perguntarmos a nós mesmos: o que não fizemos para que chegássemos a essa situação difícil de hoje em dia? Nós somos a maioria. A democracia é vocês [sic]. Você tem que dar o norte para todos nós."

A pesquisa mais recente do Datafolha, divulgada na quinta-feira (23), mostra que Bolsonaro tem 28% das intenções de voto e, se o cenário for confirmado nas urnas, perderia já no primeiro turno para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 47%. No caso dos votos válidos, o petista tem 53% (mais do que a soma de todos os outros concorrentes), e Bolsonaro surge com 32%.

Em relação à pesquisa anterior, Lula oscilou para baixo dentro da margem de erro (de 48% para 47%). Já o pré-candidato à reeleição oscilou positivamente dentro da margem de erro em relação à última amostra, de 26 de maio deste ano (de 27% para 28%). O terceiro lugar é de Ciro Gomes (PDT), que passou de 7% para 8% no estudo mais recente. Outros dez candidatos estão empatados tecnicamente.

Em solo catarinense, Bolsonaro disse ainda que 'sabemos o que nos espera' e que pede a Deus 'que demovam essas pessoas dos seus objetivos'. Tais objetivos, segundo ele, 'não seriam os mesmos dos mais de 200 milhões de brasileiros'.

Em ritmo de pré-campanha desde o ano passado, Bolsonaro tem aumentado a frequência dos ataques ao principal adversário, Lula, e ao PT. Em suas declarações, o presidente tenta criar a ideia de que a eleição será "do bem contra o mal". Atrás nas pesquisas, o pré-candidato à reeleição aposta as suas fichas no engajamento da base militante para garantir a ida ao segundo turno e, frente à polarização, reconfigurar possíveis cenários.

Hoje, o chefe do Executivo federal praticamente classificou o embate nas urnas em outubro como uma "questão espiritual".

"É uma luta do bem contra o mal. A minha chegada a Brasília tirou da zona de conforto quem queria o mal do nosso país. Eles se uniram, solapam a democracia, nos acusam do que eles verdadeiramente são. Se julgam os donos da verdade, acham que podem tudo. Até mesmo nos escravizar. Sempre digo: para mim, é muito mais fácil estar do outro lado. Mas não podemos nos esquecer de uma coisa: todos aqui, sem exceção, teremos um ponto final um dia."

O currículo que apresentaremos lá em cima é tudo aquilo que fizemos aqui embaixo. Ninguém escapará desse dia. Todos serão julgados, e as consequências cada um imagine quais sejam
Jair Bolsonaro

O mandatário do Palácio do Planalto também voltou a defender o que ele considera um ideal de 'liberdade' e, sem citar nominalmente outras instituições, criticou a cúpula do Judiciário. Para o presidente, nos últimos dois anos (marcados pela pandemia, que provocou a morte de mais de 600 mil pessoas no país), 'muitos inocentes sofreram com a perda daquilo que é mais sagrado para cada um de nós: a liberdade'.

Bolsonaro declarou que "muitos" (em referência a apoiadores) gostariam que ele "tomasse uma decisão" (em referência a hipotética tentativa de ruptura institucional, algo que não se confirmou apesar das ameaças feitas pelo chefe do Executivo).

O discurso ocorreu durante o evento Marcha para Jesus, que reuniu milhares de evangélicos do município de Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Bolsonaro chegou à cidade por volta das 10h acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, do empresário Luciano Hang (dono da varejista Havan), e de aliados no estado. Esta é a 13ª visita do chefe do executivo a Santa Catarina neste ano.

O evento estava previsto para acontecer em 2 de julho, mas foi antecipado para permitir a participação do presidente. Esta é a terceira Marcha para Jesus da qual Bolsonaro participa em um mês. Antes, ele esteve nos eventos realizados em Manaus, em 28 de maio, e em Curitiba, na última terça-feira, 21. O evento é organizado por igrejas evangélicas.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sem citar escândalo no MEC, Bolsonaro diz ter 'exército de 200 milhões' - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Política