Reinaldo: Caso Igreja Universal é ética e moralmente inaceitável

O colunista Reinaldo Azevedo afirmou no Olha Aqui! desta quarta (19) que é moralmente inaceitável que pastores solteiros sejam obrigados a entregar uma cópia de seus extratos bancários e faturas de cartões de crédito e lista de bens que possuem à Igreja Universal.

Em primeiro lugar, é claro que o pastor pode topar isso daí, e depois ele entrar na Justiça há caminhos para reverter e, inclusive, para processar a igreja, porque você impõe ao outro condições, cláusulas e contratos previstas por circunstâncias como "eu me deixei levar por isso e portanto é injusto e desproporcional". Então há caminho para no futuro reverter, mesmo com a assinatura. Eu também chamo a atenção para o fato de que essas pessoas não são obrigadas a pertencer a essa religião, é uma escolha. É claro que isso é inaceitável, ética e moralmente falando isso é inaceitável. Reinaldo Azevedo, colunista do UOL

Reinaldo ressaltou que essa prática da Igreja Universal em controlar a vida de seus pastores é algo que acontece há muito tempo.

Não é de hoje que existe a informação de que a Igreja exerce esse controle na vida dos pastores, nesse caso da reportagem é dos solteiros, mas mesmo os casados têm algumas disciplinas que a igreja impõe. Mas por que isso? Há a própria natureza do culto pentecostal, que permite isso. A igreja vive muito de doações, não sei se ela acha que há desvio de doações. É uma forma de evitar os desvios de doações, desvios eventualmente para os pastores, que são milhares e uma maneira de tentar evitar isso é verificar a vida financeira desses pastores. Reinaldo Azevedo, colunista do UOL

O colunista lembrou ainda sobre o racha enfrentado pela Igreja Universal em Angola.

Não sei como está hoje, mas durante um tempo, a Igreja matriz Universal que fundou as igrejas lá, foi expulsa e eles criaram uma Universal deles, descontente com a gestão econômica que se fazia da igreja lá. Reinaldo Azevedo, colunista do UOL

Reinaldo ressaltou ainda que essa atitude da Igreja não é legal.

Obviamente tem coisas aí que são jovializáveis, você não pode impor, usar de status ou um poder que você tem na hora para impor essas coisas que ferem direitos individuais. Reinaldo Azevedo, colunista do UOL

Veja abaixo o programa na íntegra:

Continua após a publicidade

Deixe seu comentário

Só para assinantes