Exclusivo
Política

Condenada por 8/1 oferece ajuda com fugas e hospedagem na Argentina

Uma vendedora que ajudou a organizar ônibus para os atos golpistas do 8 de Janeiro e, após condenação pelos ataques aos Três Poderes, em Brasília, fugiu para a Argentina, agora oferece auxílio a outros condenados e réus que querem fugir para o país vizinho.

Em conversas por aplicativos com militantes bolsonaristas às quais o UOL teve acesso, Fátima Aparecida Pleti, 63, fala em ajudar a fazer "travessia com segurança" na fronteira do Brasil com a Argentina. Ela também alugou uma casa em La Plata, a 56 km de Buenos Aires, onde disponibiliza vagas em quartos por R$ 500 a R$ 600 ao mês por pessoa, segundo relataram foragidos do 8/1 ao UOL.

Se tiver alguém aí do [inquérito número 49] 21 com risco de voltar pra prisão ou do [inquérito número 49] 22, manda falar comigo que eu ajudo a fazer a travessia com segurança e vim [sic] pra cá.
Fátima Pleti, em áudio para militantes

A reportagem visitou duas vezes a casa onde Fátima mora e aluga quartos para foragidos em La Plata —no começo de junho, quando não foi encontrada, e na última quinta-feira (4).

O sobrado possui três quartos, sala, cozinha, dois banheiros e uma garagem. Ao menos seis brasileiros condenados ou investigados por tentativa de golpe no Brasil moravam no local em junho. Uma bandeira do Brasil —que, no mês passado, indicava a presença de brasileiros— já não se encontra mais no interior do imóvel.

Fachada e sala da casa alugada por Fátima Pleti em La Plata
Fachada e sala da casa alugada por Fátima Pleti em La Plata Imagem: UOL e Reprodução/UOL

Na quinta-feira, Fátima se identificou como Aparecida (seu segundo nome) e recusou-se a falar com a reportagem. Na ocasião, ela estava acompanhada de uma brasileira que se identificou apenas como Camila e afirmou ser estudante de medicina. Duas crianças brincavam na garagem.

Fátima, que se apresenta como vendedora autônoma, foi condenada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a 17 anos de prisão por tentativa de golpe de Estado, entre outros crimes. Em março, ela quebrou a tornozeleira eletrônica e fugiu para a Argentina. As fugas de réus e condenados pelo 8/1 para a Argentina e Uruguai foram reveladas em maio pelo UOL. O governo Lula (PT) negocia com o governo Javier Milei a extradição dos foragidos.

Ela negou os crimes ao UOL, em entrevista por telefone na semana passada, e disse que o relator de seu processo, o ministro do STF Alexandre de Moraes, "vai pagar". Fátima interrompeu a conversa antes de esclarecer as ofertas de ajuda para fugas. O advogado dela disse que não comentará o caso.

'Montei essa casa pensando em outros patriotas'

Nos áudios obtidos pelo UOL, Fátima destaca que é preciso levar dinheiro à Argentina para moradia e alimentação. Com a ajuda de amigos de Bauru (SP), ela fez contatos com argentinos e alugou a casa em La Plata. Segundo afirmou, o objetivo era ajudar militantes.

Continua após a publicidade

"Eu poderia estar pensando só em mim. Montei essa casa pensando em outros patriotas", disse ela a outros envolvidos no 8/1. "A gente está dividindo as despesas", afirmou.

O advogado Mariel Marra, que defende condenados e réus pelos atos golpistas, também afirma que, após organizar ônibus para o 8 de Janeiro, Fátima agora ajuda fugitivos do Brasil.

"Eu tenho conhecimento de que ela participou dessa organização [dos ônibus] de modo ativo e ofereceu agora, recentemente, ajuda para outras pessoas para fugirem para a Argentina", disse. "Essa ajuda era oferecer uma casa, um quarto, um abrigo para essas pessoas que estão fugindo para a Argentina. Naturalmente, esse abrigo não é oferecido de graça. É paga uma quantia."

Na conversa de Fátima com militantes à qual o UOL teve acesso, ela não deu detalhes sobre como se daria a travessia para a Argentina. Sob condição de anonimato, um dos integrantes do grupo dela revelou, contudo, que um taxista em Foz do Iguaçu (PR) é acionado para fazer o transporte de foragidos até Puerto Iguazú (Argentina), região da tríplice fronteira, cobrando R$ 130. O UOL foi à região de fronteira, mas não localizou esse motorista.

Fugas foram financiadas, diz advogado

O transporte e a hospedagem na Argentina de alguns fugitivos foram financiados por terceiros, segundo relata Mariel Marra.

Continua após a publicidade

O advogado diz que pessoas no Brasil pagaram ônibus de foragidos para o exterior, mas ele não soube identificar quem seriam os financiadores. "Existe sim um grupo forte financeiramente por trás que está bancando essas fugas."

Tive conhecimento de pessoas que foram para lá [Argentina] e apareceu essa oferta de ônibus. A pessoa nem sabe quem é que pagou ônibus. Obviamente tem alguém por trás financiando essas fugas.
Mariel Marra, advogado de envolvidos no 8/1

A informação é corroborada por Fátima em conversas por aplicativos com envolvidos no 8/1.

Ela contou que chegou a Buenos Aires e se dirigiu a um albergue, onde permaneceu por dois dias. Segundo Fátima, havia vários fugitivos do Brasil hospedados no local. A foragida disse que teve a estadia paga, mas não identificou quem arcou com os custos. "Eles não deixaram eu pagar minha hospedagem. Eu insisti para pagar. Não me deixaram."

Fátima admite ter organizado ônibus para o 8/1

Ao UOL, Fátima contou que ajudou um empresário chamado William —o nome completo não foi revelado pela militante— a organizar ônibus saindo de Bauru (SP) para o ato de 8 de janeiro.

Continua após a publicidade

Segundo ela, o empresário pagou as despesas do transporte. "Ele [o empresário] alugou um ônibus, queria alugar outro e me pediu para ajudar a encher o ônibus", afirmou.

Fátima Pleti no interior do Senado durante invasão dos Três Poderes no 8 de Janeiro
Fátima Pleti no interior do Senado durante invasão dos Três Poderes no 8 de Janeiro Imagem: Reprodução/STF

Na ocasião, Fátima disse que idosos e crianças não poderiam ir. "O momento é outro", escreveu em uma rede social. No entanto, esse segundo coletivo não chegou a sair de Bauru na noite de 8 de janeiro. Àquela altura, a polícia já havia debelado o quebra-quebra em Brasília, e os militantes que não haviam sido presos tinham retornado ao QG do Exército.

"Nossa ida a Brasília seria em oração pelo Brasil, uma manifestação pacífica", disse. "Era um momento de oração, de adultos, não era momento de misturar crianças porque a gente não sabia o que poderia acontecer. Falaram que iam ter muitos infiltrados e eu fiquei com medo."

Fátima negou ter danificado patrimônio ou praticado outros crimes. "Não sou criminosa e não cometi nada de errado. Todos vão pagar, inclusive Alexandre de Moraes", afirmou ao UOL. "Eu não abaixo a cabeça para ninguém porque eu ando corretamente e vou continuar andando."

A foragida, que também estaria vendendo doces em La Plata para ajudar nas despesas, disse que está "vivendo um inferno" e que deixou um marido doente no Brasil. "Vocês não têm noção do que eu estou sofrendo", disse.

Fátima Pleti interrompeu a entrevista ao UOL antes de a conversa ser concluída. O advogado dela, Hélio Ortiz Júnior, foi questionado sobre as ofertas de ajuda para travessia e hospedagem em sua casa, mas se recusou a responder: "Não irei me pronunciar", afirmou.

Continua após a publicidade

'Pressão' para fugir

O advogado Marra disse que os militantes que decidiram ficar no Brasil para cumprirem suas penas ou fazerem acordos são pressionados a fugirem por quem já está na Argentina. "Quem está na Argentina está tratando essas pessoas como se elas fossem fracas, covardes, por elas não fugirem como eles."

O nível de pressão psicológica é absurdo, desumano, com quem decide ficar aqui porque tem família e filhos, que não quer fugir, que quer encarar as consequência por mais que discorde. Elas estão sofrendo essa pressão de quem fugiu. Eu acho isso aí lamentável.
Mariel Marra, advogado

Deixe seu comentário

Só para assinantes