PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

EUA investirão US$ 1,7 bilhão para combater variantes da covid-19

Segundo uma análise do jornal Washington Post em dezembro, os Estados Unidos ocupam o 43º lugar do mundo na capacidade de sequenciar os casos de coronavírus - iStock
Segundo uma análise do jornal Washington Post em dezembro, os Estados Unidos ocupam o 43º lugar do mundo na capacidade de sequenciar os casos de coronavírus Imagem: iStock

Em Washington

16/04/2021 13h35

O governo do presidente Joe Biden anunciou hoje que vai investir US$ 1,7 bilhão para melhorar sua capacidade de sequenciar o coronavírus em busca de mutações genéticas, já que as novas e potencialmente mais perigosas variantes estão prestes a dominar a pandemia.

O financiamento é parte de um pacote de ajuda de US$ 1,9 trilhão aprovado no mês passado e ajudará os Estados Unidos a ficarem em dia na vigilância genômica, uma área na qual está muito atrás em comparação com outros países avançados.

"No início de fevereiro, os laboratórios americanos sequenciavam apenas umas 8.000 cepas de covid-19 por semana", disse um comunicado da Casa Branca, que acrescenta que, graças a um investimento inicial de US$ 200 milhões, o ritmo agora é de 29 mil amostras por semana.

O novo financiamento inclui US$ 1 bilhão para ampliar a capacidade federal e estadual de expandir a vigilância genômica; US$ 400 milhões de dólares para criar seis centros de pesquisa de última geração; e US$ 300 milhões para construir um sistema nacional para compartilhar e analisar dados.

Segundo uma análise do jornal Washington Post em dezembro, os Estados Unidos ocupam o 43º lugar do mundo na capacidade de sequenciar os casos de coronavírus.

Neste mês, a variante detectada pela primeira vez no Reino Unido se tornou a versão mais dominante.

Também há a preocupação com o aumento de outras variantes, como as encontradas pela primeira vez na África do Sul e no Brasil, que são mais capazes de escapar dos anticorpos produzidos em resposta à cepa original.

Os fabricantes de vacinas estão atualmente testando reforços adaptados às variantes, que poderiam estar disponíveis até o final do ano.

Coronavírus