As perguntas ainda sem resposta sobre o surto de zika e microcefalia

James Gallagher

Editor de Saúde da BBC News

  • Reprodução/BBC

Esta imagem sem muita definição é uma das poucas fotos do zika vírus.

O surto levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar emergência internacional devido à ligação entre a infecção e milhares de casos suspeitos de bebês nascidos com microcefalia no Brasil.

Mas ainda existem muitas perguntas sem respostas. Por exemplo, quantas pessoas foram realmente infectadas nas Américas?

A melhor estimativa da infecção pelo zika vírus está entre 500 mil e 1,5 milhão, o que mostra uma grande margem de erro. Qual a porcentagem de pessoas em uma área afetada que realmente estão sendo infectadas pelo vírus? Todas elas? Ainda não sabemos.

Abaixo algumas das perguntas sem respostas sobre a doença.

Por que o surto é tão explosivo?

Uma teoria é que o vírus passou por uma mutação e ficou mais infeccioso.

Outros especialistas afirmam que pode ser simplesmente o caso do vírus chegando a áreas que são muito povoadas e próximas umas das outras e onde há uma população enorme de mosquitos.

Quem pode transmitir a doença?

Cerca de 80% das pessoas não apresentam sintomas - apesar de este número precisar ser mais investigado.

Não se sabe se estas pessoas também podem espalhar o vírus e nem mesmo a razão de elas não apresentarem os sintomas da doença.

O zika vírus causa microcefalia?

É o maior medo em relação ao surto. A ligação entre o zika vírus e a má-formação ainda é uma "forte suspeita".

Houve um aumento no número de casos de microcefalia nas regiões do Brasil que registraram casos de zika.

No entanto os exames para provar a ligação entre o vírus e a má-formação ainda não foram finalizados.

Quais são os riscos da doença?

Aqui as perguntas relativas à mulheres grávidas se multiplicam: se o vírus causa a microcefalia, qual a frequência que isto acontece? Toda infecção leva a má-formações? Ou é apenas algo em torno de um em cada cem casos? Ou talves um em cada 10 mil?

Por enquanto não se sabe o quanto as mulheres grávidas precisam se preocupar com o surto.

Existe um período mais arriscado durante a gravidez?

Se o zika vírus realmente causa microcefalia, é importante saber quando a mulher foi infectada?

Foram feitas algumas sugestões de que o primeiro trimestre (as primeiras 12 semanas) é um período muito importante, mas outros médicos sugeriram que pode haver risco até a 29ª semana.

E estes riscos podem mudar com o tempo.

Como a doença pode afetar o cérebro?

Algumas infecções, como a rubéola, podem prejudicar o cérebro de bebês durante a gravidez.

Mas não se sabe como o zika vírus pode atravessar a placenta e prejudicar o crescimento do cérebro.

Apresentar os sintomas da doença muda o nível de risco?

Cerca de quatro em cada cinco pessoas infectadas não vão desenvolver os sintomas.

Estes casos, de pessoas que não desenvolvem os sintomas, têm os mesmos riscos de microcefalia que os casos onde a pessoa doente apresenta os sintomas como febre e manchas vermelhas na pele?

Também há o problema da síndrome de Guillain-Barre, que já foi ligada ao zika vírus e ainda não se sabe quais pacientes correm o risco maior.

O que está acontecendo na África e na Ásia?

O vírus foi detectado pela primeira vez na África e então em partes da Ásia até chegar ao Brasil e se espalhar.

Então estes continentes têm populações gigantescas suscetíveis a surtos do zika? Ou o zika já estava nestes lugares há anos sem ser detectado e, sendo assim, a maior parte destas populações já é imune?

É difícil estabelecer o tamanho da ameaça global sem saber esta resposta.

Qual é o número real do aumento dos casos de microcefalia?

Existem grandes questionamentos a respeito da qualidade dos dados coletados tanto antes do surto de zika como depois.

Os números dos anos anteriores aos registros da doença podem ter sido subestimados. E o número de casos suspeitos podem ser superestimados.

A doença pode ser transmitida por outros mosquitos?

O zika vírus é transmitido pelo Aedes aegypti mas existe o temor de que possa ser transmitido por também por outros mosquitos como o tigre asiático.

E este mosquito prefere climas mais temperados, como o de algumas partes da Europa.

Qual é o risco da transmissão através de relação sexual?

Parece que a grande maioria dos casos de transmissão ocorrem por picadas do mosquito Aedes aegypti. O mosquito pica uma pessoa infectada e passa o vírus para a próxima pessoa que picar.

Mas a transmissão por relação sexual já foi ligada a alguns casos da doença. Mas não se sabe o quanto este tipo de transmissão é comum.

Uma pessoa pode ficar imune à doença?

Se a pessoa é infectada com o zika vírus uma vez ela fica protegida pelo resto da vida, como se fosse sarampo?

Ou é preciso ter a doença várias vezes para ficar imune? Quanto tempo dura a imunidade?

A resposta para estas perguntas pode nos dizer quanto tempo o surto pode durar e indicar se uma vacina pode realmente ser eficaz.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos