OMS 'desconvida' cientistas críticos à Olimpíada para reunião sobre zika; entenda polêmica

Ricardo Senra

Da BBC Brasil

  • José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo

    26.jan.2016 - Agentes realizam ação de fiscalização e combate ao mosquito Aedes aegypti no sambódromo e no seu entorno, na região central do Rio de Janeiro

    26.jan.2016 - Agentes realizam ação de fiscalização e combate ao mosquito Aedes aegypti no sambódromo e no seu entorno, na região central do Rio de Janeiro

A controvérsia entre o grupo de 150 cientistas internacionais que pedem adiamento ou transferência da Olimpíada pela epidemia de zika e a Organização Mundial da Saúde (OMS), que defende a manutenção dos jogos no Rio de Janeiro, acaba de ganhar novo capítulo.

Após receber um convite oficial da OMS para participar de um comitê emergencial com o objetivo de discutir problemas neurológicos ligados ao vírus zika, porta-vozes do grupo que reúne pesquisadores de universidades como Harvard, Oxford e Stanford alegam terem sido "desconvidados" pela organização.

A BBC Brasil teve acesso à troca de e-mails entre as duas partes. Após o convite para o evento, feito em nome da diretora-geral da OMS, Margareth Chan, o professor canadense Amir Attaran pergunta se a participação garante status de membro ou consultor do comitê.

"Poder dialogar é interessante", diz Attaram na conversa com a OMS. "Mas se a ideia for simplesmente ouvir, aí fica menos interessante. A carta aberta enviada à organização e cobertura da mídia já fazem isso."

Na carta, o grupo de especialistas pede que a organização "reveja urgentemente" suas recomendações sobre a doença e alega que o governo brasileiro fracassou no combate ao mosquito Aedes aegypti.

A organização então volta atrás. "Dadas as suas preocupações, a OMS está reconsiderando sua intenção inicial e voltará a entrar em contato para informar se você será convidado ou não para o comitê emergencial."

À BBC Brasil, o especialista canadense Attaran, destinatário das mensagens, classificou a recusa como "falta de transparência".

"Meu palpite é que eles estejam verdadeiramente preocupados com a possibilidade de que mudemos a cabeça de pessoas que estarão no comitê", disse. "Mas este não é o tipo de preocupação que uma organização intelectualmente honesta deveria ter."

Procurada pela reportagem, a OMS afirmou que a agenda e os participantes do comitê emergencial "ainda estão sendo definidos".

A organização não respondeu às perguntas relacionadas à troca de e-mails e ao "desconvite" ao pesquisador canadense. Sobre o comitê emergencial, convocado para Genebra, na Suíça, em 14 de julho, a OMS afirmou que "especialistas de vários perfis apresentarão pesquisas e informações relevantes sobre o surto, incluindo o que já foi identificado sobre a microcefalia e outras malformações neonatais e neurológicas como a síndrome de Guillain-Barré".

"O comitê vai rever a situação e determinar se a designação de 'Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional' ainda se aplica, além de quais recomendações deverão ser adicionadas, modificadas ou intensificadas. A Olimpíada é uma parte dos vários temas que serão discutidos", prossegue a OMS.

Riscos

A discordância na comunidade científica ganhou corpo no último dia 27, quando o grupo de especialistas em saúde, direito, bioética e esportes enviou carta aberta à OMS afirmando que a manutenção dos jogos no Rio seria "antiética".

"Um risco desnecessário é colocado quando 500 mil turistas estrangeiros de todos os países acompanham os Jogos, potencialmente adquirem o vírus e voltam para a casa, podendo torna-lo endêmico", dizia o texto.

O principal risco, na avaliação dos pesquisadores, seria que atletas contraíssem a doença e voltassem para suas casas em países pobres que ainda não foram afetados pelo surto da doença.

A reportagem questionou a OMS sobre o tema. "Do ponto de vista de saúde pública, cancelar ou mudar o local da Olimpíada de 2016 não vai alterar significativamente a disseminação internacional do vírus zika", disseram porta-vozes.

"Para a maioria dos atletas e outros viajantes o risco de infecção é baixo. Apesar disso, podemos esperar que alguns viajantes serão infectados pelo zika e que novos países reportarão, no futuro, casos 'importados' do Brasil e de outros locais onde o vírus circula.

"O risco para mulheres grávidas é significativo, e elas não devem viajar para a Olimpíada ou outras áreas afetadas", continua a Organização.

"A OMS continua a monitorar a transmissão do vírus e seus riscos no Brasil e em outros países, para atualizar as recomendações, se necessário. E vamos continuar a fazê-lo."

A organização diz ainda que suas recomendações são fruto de contribuições de centenas de especialistas independentes e que o Comitê Emergencial é apenas "parte de um amplo leque de atividades conduzidas pela OMS para alcançar conclusões sobre o vírus".

Contraponto

Na última quinta-feira, o novo ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que o posicionamento dos cientistas é um "exagero".

"Há um excesso de zelo. A doença já está presente em 60 países. Não será a Olimpíada que vai propagar a doença", afirmou.

Segundo a OMS, 57 países registraram casos de zika em todo o mundo. Mas em apenas oito -- Brasil, Colômbia, Martinica, Panamá, Polinésia Francesa (França), Cabo Verde, Eslovênia e Estados Unidos -- foram identificados casos de microcefalia e outras malformações fetais "potencialmente associados" à zika.

O grupo de cientistas internacionais alega que as posições do governo brasileiro e da OMS são "perigosas".

"A linhagem do vírus no Brasil é distinta da maioria destes 60 países", disse à reportagem o professor canadense Amir Attaran.

"Digamos que estivéssemos em 1918 e eu dissesse que estou muito preocupado com a gripe espanhola. Aí uma organização importante de saúde diz que não devo me preocupar porque o vírus da gripe já existe em vários países. Entende a metáfora?"

O professor Attaran afirma ainda que questões de saúde pública precisam ser separadas de interesses econômicos.

"De um lado temos a importância econômica dos jogos para o Brasil e o dinheiro que já foi investido nisso. De outro, temos crianças nascendo com problemas cerebrais. Se eles quiserem priorizar o dinheiro, está bem, mas que sejam completamente abertos e transparentes nisso".

Novos casos

O último boletim divulgado pelo ministério da Saúde, na última terça-feira, indica que o número de casos confirmados de microcefalia no Brasil chegou a 1.151. Pernambuco e Bahia, com 363 e 252 casos, respectivamente, são os Estados que registram o maior número de confirmações.

Desde 22 de outubro, quando dados sobre a doença começaram a ser organizados, 7.830 notificações sobre a síndrome foram realizadas. Destas, 3.262 foram descartadas e outras 3.017 seguem em investigação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos