A chocante história do idoso sem memória com sotaque americano encontrado na Inglaterra

Policiais e assistentes sociais ficaram perplexos quando um idoso com sotaque americano foi encontrado nas ruas da cidade britânica de Hereford. Ele não sabia quem era, não tinha documentos, mas vestia roupas novas. A busca para descobrir sua identidade teve resultados imprevisíveis.

O homem foi encontrado num estacionamento de ônibus em 7 de novembro de 2015. Exames do hospital municipal mostraram por que ele não era capaz de dizer quem era - ele sofria de demência.

A policial Sarah Bennett recebeu a missão de descobrir quem era o homem misterioso. De início, achou que seria apenas uma formalidade. Pacientes com demência regularmente se perdem, e a maioria é encontrada em questão de horas.

Quando consultou a lista de pessoas desaparecidas na região, não havia ninguém com as descrições do homem. Ela, então, expandiu a busca para o território nacional.

A polícia analisou gravações de câmeras de segurança, lançou um apelo à imprensa, contactou a agência nacional de crime e a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol). Ela ainda checou bancos de dados de pessoas desaparecidas do Reino Unido e no exterior e consultou autoridades canadenses e norte-americanas.

Repetidamente perguntavam-lhe seu nome no hospital. Uma vez, ele respondeu "Roger Curry". A polícia estava ciente de que este poderia não ser seu nome - poderia ser, por exemplo, o de alguém de seu passado.

Mesmo assim, ele foi chamado de Roger pelos funcionários do lar para idoso para o qual tinha sido encaminhado durante as investigações.

Meses se passaram, e a polícia ainda não tinha ideia da identidade de Roger. Eles investigaram uma série de possibilidades. Será que teria acontecido algo com os responsáveis por seus cuidados? Teriam morrido e Roger simplesmente se perdido?

"Temos uma pessoa. Temos um nome possível, e nada mais. Não temos documento de identidade, nenhuma indicação de onde ele é", disse a sargento Bennett.

Em uma tarde em março de 2016, eu visitei Roger na residência de idosos. Ele parecia contente, embora estivesse claramente perdido em seu próprio mundo. Perguntei seu nome e de onde ele era. Mas as perguntas se dissipavam.

Roger estava claramente recebendo bons cuidados. Os funcionários tinham se afeiçoado pelo senhor que gostava de muffins de chocolate e um sherry à noite.

Amanda Bow, diretora do centro, disse que eles não sabiam nada sobre Roger. "Ele é uma tela em branco", me disse ela. Mas afirmou também que lágrimas correriam se ele fosse identificado e deixasse o local. "Será devastador, porque ele é o 'nosso Roger'. Nós os adotamos".

Primeiras pistas

Pouco tempo depois, a BBC divulgou um novo apelo, o que levou à primeira importante descoberta.

A notícia teve repercussão e inspirou nas redes sociais um pequeno exército de "detetives" para investigar o caso.

Um post na página do Facebook da BBC era particularmente intrigante. Uma mulher chamada Debbie Cocker postou uma fotografia de um homem chamado Earl Roger Curry, no anuário do Ensino Médio, em 1958, nos EUA. A fotografia era de um jovem de 18 anos. Ele parecia com Roger e era da mesma idade.

A fotografia do anuário era da escola Edmonds, no norte de Seattle, no Estado de Washington.

Eu viajei ao encontro de uma mulher, chamada Helen, que cuidava da página na internet da classe de 1958 da escola Edmonds. Seu marido Jim tinha estado na mesma classe que Roger.

Tanto Helen quanto Jim acreditavam que aquele jovem no anuário era a mesma pessoa desconhecida no centro de idosos da Inglaterra.

Nas semanas seguintes, eu rastreei Earl Roger Curry nos Estados Unidos até chegar a uma casa em Los Angeles, numa região chamada Whittier. Era um subúrbio americano clássico (o filme De Volta para o Futuro foi filmado ali), e a rua onde eu achava que Roger vivia era habitada pelo que parecia uma respeitável classe média.

Mas a casa de Earl Roger Curry se destacava. Ela tinha sido em parte destruída pelo fogo e abandonada.

Jerry Maiques vive na casa em frente à do velho Curry. Mostrei uma fotografia de Roger tirada na Inglaterra.

"Este é o Roger", disse ele, sem hesitação. "Sem dúvida". Outro vizinho também o reconheceu.

Era o fim de uma busca, mas marcava o início de outra missão - descobrir como Roger foi aparentemente abandonado em outra parte do mundo. Ninguém na localidade imaginaria que ele teria viajado sozinho para a Inglaterra.

Todo mundo com quem falamos tinha apenas coisas boas para falar de Roger. Outra vizinha, Jennifer Apon, disse: "Eu o via ir e vir do trabalho. Ele usava roupa branca, então sabia que era enfermeiro".

Ela gostava de Roger: "Ele parecia um homem de família gentil, e eu tinha uma boa opinião dele".

Quanto mais nós conversávamos, mais aprendia sobre ele. Roger era casado e tinha dois filhos adultos, mas problemas e a doença assombravam a família. Além da demência de Roger, sua mulher Mary Jo também não estava bem. O filho Kevin foi cuidador de Roger nos últimos anos, mas há algum tempo não era mais bem-vindo na casa da família.

Zania, a vizinha, descreveu o relacionamento entre Kevin e seus pais como "volátil".

"Você podia ouvi-lo (Kevin) a qualquer hora da noite batendo à porta tentando entrar e gritando palavrões. Temíamos pela segurança da família", ela disse.

Em 2014, a casa deles foi parcialmente destruída pelo fogo e interditada por autoridades locais. Ninguém estava em casa na hora do fogo, e Roger e sua mulher se mudaram - os vizinhos não viram o casal até uma manhã de agosto de 2015.

Pouco depois das 6h desse dia, Jerry viu Roger andando sem rumo atrás da cerca da casa da família. Jerry escalou a cerca e encontrou Marry Jo deitada num colchão inflável no jardim da casa incendiada.

Havia uma caixa térmica com comida e água por perto. O casal estava preso atrás de um cercado e não podia sair, então Jerry chamou a polícia.

Descobriram que Kevin trazia comida e era suspeito de trancá-los atrás do portão. Mas Kevin não foi processado. Sua mãe disse à polícia que era sua ideia. Não fizeram mais nada sobre o caso.

Tudo isso aconteceu apenas três meses antes de Roger ter sido encontrado na Ingaterra.

Enquanto eu conversava com Jerry do lado de fora de sua casa, ele notou que Kevin e Mary Jo estacionavam do lado aposto da rua. Ao sair do veículo, Mary Jo nos viu e ficou assustada. Kevin nos encarou e em seguida eles foram embora rapidamente com o carro.

Descobriu-se que Kevin era um sujeito complicado. Uma ordem de restrição tinha sido pedida contra ele pelo pai há 17 anos. Será que Kevin teria abandonado o pai na Inglaterra?

Esse tipo de caso não é inédito nos Estados Unidos. Eles chamam isso de "granny dumping" (algo como "descarte ou abandono da vovó"), que significa abandonar seus parentes idosos em algum local para evitar custos médicos.

Telefonei e escrevi para Kevin. Ele não retornou. Mas consegui encontrar sua irmã, Jeanette, que estava afastada da família há alguns anos.

A mulher de 27 anos ficou chateada quando contei sobre seu pai. Ela não sabia que ele estava na Inglaterra, mas acreditava que Kevin poderia ter feito isso. Sua maior preocupação era que o pai voltasse a Los Angeles. Até onde ela sabia, Roger estava seguro e bem na Inglaterra.

FBI e prisão

De volta ao Reino Unido, as autoridades foram atualizadas dos novos fatos. Em dois dias, um homem foi preso na Inglaterra. Assistentes sociais americanos e o FBI foram incluídos na investigação.

Em julho de 2016, Roger Curry foi levado do local em que viveu por oito meses de volta aos Estados Unidos.

Há poucas semanas, eu voei novamente para Los Angeles.

Roger estava agora vivendo em um centro de idosos a poucos quilômetros de sua antiga residência. Eu entrei no local, mas não o reconheci. Ele parecia descuidado - sem tomar banho e mais magro do que me lembrava. Ele também tinha um corte na cabeça.

Quando o visitei pela segunda vez, ele parecia melhor, com a barba feita e limpo. Mas entrei sem supervisão e não parecia haver nada que impedisse que Roger saísse vagando pela rua.

Ainda não sabia como ele tinha viajado para a Inglaterra, mas acreditava que seu filho Kevin saberia a verdade. Encontrei-o no que restava da casa da família. Primeiro ele se escondeu de mim na propriedade, mas depois concordou em responder minhas perguntas.

Ele me chamou para o lado da cerca para conversar, mas o que me contou, do outro lado da cerca, fazia pouco sentido. Ele negou que tivesse algo a ver com o abandono do pai na Inglaterra. Ele disse que seu pai ficou doente quando a família estava visitando o país de férias e que pediu a alguém para levá-lo ao hospital.

Mas por que ele não tinha tentado encontrar o pai?

Quando emergiu da cerca, ele cobriu o rosto com o casaco. Pedi para entrevistá-lo de forma normal, mas ele passou a me acusar de assediá-lo antes de partir em seu carro - muito devagar, ele parecia não poder ver direito para onde estava indo. Foi a mais estranha das escapadas.

O futuro de Roger está sendo decidido agora pela Justiça americana. Autoridades de Los Angeles assumiram o controle por seus cuidados. Isso foi questionado por Kevin e sua mãe, mas documentos legais mostram que autoridades o acusam de levar Roger ao Reino Unido e abandoná-lo.

Sabemos hoje que os três voaram para o Reino Unido em novembro de 2015, mas apenas dois voltaram para casa. Um idoso vulnerável foi abandonado no exterior pela família.

O mistério foi resolvido. Mas este não é exatamente um final feliz para a história de Roger. Fui embora me perguntando se ele não estaria melhor se sua identidade não fosse descoberta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos