PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

'Pandemia rejuvenescida': Faixa etária de Paulo Gustavo teve maior aumento de mortes por covid desde janeiro

Casos como o do ator vêm se tornando cada vez mais frequentes no Brasil; humorista estava internado desde 13 de março e morreu ontem - Reprodução/Instagram
Casos como o do ator vêm se tornando cada vez mais frequentes no Brasil; humorista estava internado desde 13 de março e morreu ontem Imagem: Reprodução/Instagram

05/05/2021 10h26Atualizada em 05/05/2021 10h38

Casos como o do ator Paulo Gustavo, de 42 anos, morto de covid-19 nesta terça-feira (4/5), vêm se tornando cada vez mais frequentes no Brasil desde janeiro, com a faixa etária entre 40 e 49 anos registrando o maior aumento percentual de infecções e mortes pelo novo coronavírus.

Uma das maiores revelações da nova geração do humor nacional, Paulo estava internado em um hospital do Rio de Janeiro desde 13 de março e não resistiu às complicações da doença.

Ele deixa o marido, o dermatologista Thales Bretas, e seus dois filhos gêmeos, Gael e Romeu, que têm um ano de idade.

Segundo boletim médico, o humorista morreu às 21h12 de terça-feira. Mais cedo, a equipe havia publicado nota afirmando que a saúde do humorista estava se "deteriorando de forma importante" e que "apesar da irreversibilidade do quadro", ele ainda tinha "sinais vitais presentes".

Dados mais recentes do Sivep-Gripe (Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe) sobre as SRGA (Síndromes Respiratórias Agudas Graves), mostram que o número de casos de infecção e mortes por covid entre pessoas de 40 e 49 anos no Brasil cresceu 626% e 419,23%, respectivamente nos primeiros meses deste ano, o maior aumento entre todas as faixas etárias.

Já entre 30 e 39 anos, o aumento foi de 565,08% e 223,10%. Na faixa etária de 50 a 59 anos, o percentual de aumento de infecções e mortes foi de 525,93% e 317,08% respectivamente. Esses dados constam de um levantamento feito por pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), em boletim recente do Observatório Covid-19.

Esse cenário reflete o que vem sido chamado de 'rejuvenescimento' da pandemia de covid no Brasil, com mais jovens sendo internados e morrendo de complicações da doença.

Atualmente, mais de um terço das mortes por covid-19 no Brasil é de menores de 59 anos. À medida que os mais velhos estão sendo vacinados, os óbitos nessa faixa etária têm caído pela metade.

"Recentemente, profissionais envolvidos com a assistência a pacientes com Covid-19 têm relatado um aumento de procura de pacientes jovens sintomáticos nos serviços de saúde. Esta tendência tem sido observada em muitos hospitais e regiões do país", dizem os pesquisadores da Fiocruz responsáveis pelo boletim.

"Nos primeiros meses de 2021, houve um aumento importante de casos de covid-19 nas faixas etárias de 20 a 29 anos, 30 a 39 anos e 40 a 49 anos. Este aumento foi maior que o observado nas demais faixas etárias".

"Esse deslocamento de casos e óbitos sugere que a pandemia ganha um novo contorno no Brasil, ficando mais rejuvenescida", acrescentam.

Segundo a Fiocruz, "por se tratar de população com menos comorbidades - e, portanto, com evolução mais lenta dos casos graves e fatais, frequentemente há um maior tempo de permanência na internação em terapia intensiva".

Como os jovens têm um sistema imunológico mais forte, combatem melhor a doença e conseguem resistir por mais tempo a evoluções graves da doença, eventualmente se salvando ou morrendo. Por isso, acabam ficando mais tempo na UTI.

Fato é que a média da idade de pacientes internados vem caindo. Enquanto a média da idade dos casos novos no início de janeiro era de 62 anos e de óbitos, de 71 anos, em meados de março, passou para 58 e 66 anos, respectivamente.

Segundo os pesquisadores, essa maior incidência da covid-19 entre os mais jovens bem como a manutenção da mortalidade entre os idosos "contribui para o cenário crítico da ocupação dos leitos hospitalares".

Eles também destacaram que essas diferenças de incidência entre as faixas etárias "implicam num compromisso intergeracional".

"Sendo a infecção mais comum entre os jovens e os óbitos mais frequentes em mais idosos e pessoas com doenças crônicas, uma geração deve procurar proteger a outra, evitando o contágio de membros da família, vizinhos, companheiros de trabalho e amigos", afirmam.

Uma das maiores revelações da nova geração do humor nacional, ator tinha 42 anos e deixa marido e dois filhos; ele havia sido internado no dia 13 de março - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Uma das maiores revelações da nova geração do humor nacional, ator tinha 42 anos e deixa marido e dois filhos; ele havia sido internado no dia 13 de março
Imagem: Reprodução/Instagram

Medidas

Diante desse novo contexto, os pesquisadores da Fiocruz defendem a adoção de "dois grupos de medidas interconectadas".

"No primeiro grupo, as medidas urgentes, que envolvem a contenção das taxas de transmissão e crescimento de casos através de medidas de bloqueio ou lockdown (confinamento), acompanhadas de respostas na ampliação da oferta de leitos com qualidade e segurança, bem como prevenção do desabastecimento de medicamentos e insumos", dizem.

"No segundo grupo, as medidas de mitigação, com o objetivo reduzir a velocidade da propagação. Estas medidas deverão ser combinadas em diferentes momentos e a depender da evolução da pandemia no país até que se tenha 70% da população vacinada".

Entre essas medidas de contenção recomendadas pelos pesquisadores da Fiocruz estão:

  • A proibição de eventos presenciais como shows, congressos, atividades religiosas, esportivas e correlatas em todo território nacional;
  • A suspensão das atividades presenciais de todos os níveis da educação do país;
  • O toque de recolher nacional a partir das 20h até as 6h da manhã e durante os finais de semana;
  • O fechamento das praias e bares;
  • A adoção de trabalho remoto sempre que possível, tanto no setor público quanto no privado; A instituição de barreiras sanitárias nacionais e internacionais, considerados o fechamento dos aeroportos e do transporte interestadual;
  • A adoção de medidas para redução da superlotação nos transportes coletivos urbanos.

Segundo especialistas ouvidos em reportagem recente da BBC News Brasil, fatores como comportamento de risco, volta ao trabalho e variante P1 estão por trás do aumento no número de casos e mortes entre os jovens no Brasil.

Vacinação

No boletim, os pesquisadores também criticam o ritmo lento da vacinação no Brasil.

"Desde o início da pandemia os estudos científicos apontaram que até que tivéssemos a vacinação da maior parte da população, a necessidade da adoção da combinação de medidas não-farmacológicas prolongadas e envolvendo distanciamento físico e social, uso de máscaras e higienização das mãos, com ações intermitentes de bloqueio (lockdown) com restrição da circulação e de todos os serviços não-essenciais quando as capacidades de cuidados intensivos fossem excedidas", diz o documento.

"O ritmo lento em que se encontra a vacinação contribuí para prolongar a duração da pandemia e da adoção intermitente de medidas de contenção e mitigação".

Até agora, segundo dados da plataforma Our World in Data, ligada à Universidade de Oxford (Reino Unido), cerca de 30 milhões de pessoas no Brasil já receberam pelo menos uma dose da vacina contra a covid.

O número pode parecer alto, mas, na prática, significa que o país só administrou 20,7 doses para cada 100 pessoas, taxa inferior à de nações desenvolvidas, como Estados Unidos, Israel, França e Reino Unido, e também emergentes, como Chile e Uruguai.

Apesar de dados mostrarem evidências claras de que a vacina vem reduzindo casos de infecção e mortes, o Brasil vem enfrentando problemas em sua campanha de imunização.

A escassez de vacinas é um deles. Milhares de pessoas que tomaram a primeira dose ainda aguardam a segunda - o imunizante requer duas doses para oferecer proteção segura contra o vírus.

A CoronaVac, por exemplo, está em falta em cidades de pelo menos 18 estados.

Coronavírus