Jovem pode recusar hemodiálise mesmo após decisão a favor da mãe

Sorocaba - Mesmo com a liminar da Justiça determinando a continuação do tratamento, o jovem José Humberto Pires de Campos, de 22 anos, de Trindade (GO), pode se negar a fazer a hemodiálise, tratamento que o mantém vivo. A decisão do juiz Éder Jorge, da 2ª Vara Cível, permite que a mãe o leve ao hospital , mas "sem qualquer tipo de coerção física". Para a advogada Dorvanir Fernandes de Matos, que entrou com a ação a pedido da mãe, o rapaz está se rebelando contra o tratamento obrigatório. "Ele fez a hemodiálise ontem (quarta-feira) depois de muita insistência da família, mas está dizendo que não vai à próxima sessão. Se isso acontecer, a mãe não poderá fazer nada para obrigá-lo", disse.

José Humberto é portador de doença renal crônica e precisa passar regularmente pelas sessões que depuram o sangue. Como decidiu abandonar o tratamento por considerá-lo doloroso e ineficaz, já que não cura a doença, a professora Edina Maria Alves Borges, de 55 anos, recorreu à Justiça para obrigar o filho a fazer o tratamento. A advogada considera importante que a ação que pede a interdição do rapaz seja julgada rapidamente.

Na quarta-feira, 15, a subsecção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) nomeou o advogado George Alexander Neri de Carvalho para defender os interesses de José Humberto. Alegando necessidade de estudar melhor o caso, o advogado não quis falar com a reportagem. Ele tem prazo até a próxima terça-feira para contestar a interdição.

O juiz deve nomear uma junta especial com psiquiatra, psicólogo e médicos especialistas em nefrologia para avaliar as condições de saúde e psicológicas do jovem. Dizendo-se indisposto por causa da hemodiálise, José Humberto não falou com a reportagem, mas mandou dizer que não mudou em nada em relação ao que já havia manifestado. A próxima hemodiálise ainda não está marcada.

Sortudo

A presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Carmen Tzanno Branco Martins, manifestou preocupação com a resistência de José Humberto ao tratamento contra a doença crônica renal. O risco, segundo ela, é de estigmatizar uma terapêutica que funciona bem. "Hoje, no Brasil, temos 110 mil pacientes em programas de hemodiálise e são feitos mais de cinco mil transplantes renais por ano. Temos mais de 1.500 crianças em tratamento."

Segundo ela, seguindo o tratamento e a dieta corretamente, a pessoa pode ter boa qualidade de vida. "É normal, na idade dele, levar um susto com o diagnóstico da doença crônica e vislumbrar um horizonte sombrio. Nesse momento, é importante que ele seja levado a entender o que acontece, a compreender o problema e tomar, com a família e a equipe médica, uma decisão compartilhada sobre o tratamento."

De acordo com a médica, embora sejam terapias recentes, a hemodiálise e a diálise peritonial, em que a pessoa pode fazer a depuração do sangue em casa, até dormindo, evoluíram muito nos últimos anos. "O transplante também salva vidas no mundo todo.
Muitas pessoas nasceram sem um rim ou são doadoras e vivem com um rim só de forma normal. O transplantado pode viver 20 ou 30 anos com o rim novo, desde que tome os medicamentos e os cuidados necessários. Se ainda assim perder o órgão, pode voltar para a hemodiálise e seguir com a vida."

Doutora em nefrologia, a médica conta que até a década de 1960, a doença crônica renal não tinha tratamento e as primeiras pessoas a se submeterem à hemodiálise eram chamadas de "sortudas" por terem acesso à inovação. "Num mundo em que tantas vidas jovens se perdem em acidentes e violência, seria bom se a família e os profissionais que cuidam do caso convencessem o jovem a se adaptar à nova realidade e ver o lado bom da vida."

José Maria Tomazela

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos