Alta procura e falta de estrutura afetam hospitais universitários do interior

José Maria Tomazela

Sorocaba

  • Wikimedia Commons

    No Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, pessoas foram atendidas dentro das ambulâncias, do lado de fora, por falta de leitos, macas e de espaço físico na emergência

    No Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, pessoas foram atendidas dentro das ambulâncias, do lado de fora, por falta de leitos, macas e de espaço físico na emergência

Falta de insumos básicos, como agulha, gaze e esparadrapo, e de vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), suspensão do atendimento no pronto-socorro e espera de até cinco anos por cirurgia. Esta é a realidade enfrentada por hospitais universitários no interior de São Paulo.

Segundo gestores das unidades, a estrutura dos hospitais não acompanhou o crescimento da população e houve aumento da demanda com a migração de pacientes que perderam o plano de saúde privado e hoje estão na rede pública.

O Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, paralisou o atendimento no pronto-socorro adulto e infantil e na UTI pediátrica em maio em razão do excesso de pacientes. O pronto-socorro (PS) infantil ficou fechado por uma semana para novos casos e procedimentos eletivos foram suspensos.

O PS adulto fechou por 24 horas, após chegar a 72 macas instaladas onde cabem 28. "Foi uma medida dura, mas necessária, em razão da superlotação", afirmou o superintendente do HC da Unicamp, João Batista de Miranda.

Um grupo de trabalho do HC investiga a morte da doméstica Marlene de Lourdes Spíndola, de 49 anos, em 26 de maio. A triagem para novos pacientes estava suspensa e ela, com dores no peito, não conseguiu atendimento. Foi levada para um posto municipal, onde morreu de enfarte. "Ela estava mal, com muita dor, e foi mandada de volta", disse a cunhada Fátima Spíndola, de 59.

Segundo Miranda, quando a doméstica morreu, de 50% a 60% dos pacientes internados eram oriundos do PS. Com a unidade superlotada, houve falta de espaço até para a circulação de médicos e enfermeiros. "Tudo tem limite e tivemos de agir para manter a qualidade do atendimento, que é inegociável. 

Há risco de que isso se repita. Nossa UTI pediátrica tem capacidade para 10 leitos e hoje está com 14 (os quatro extras são improvisados)." A situação deve perdurar até setembro, quando as obras da nova UTI, com 20 leitos pediátricos, serão entregues.

Pacientes também enfrentam espera e lotação. O funcionário público Argemiro Gonçalves, de 59 anos, que acompanhava sua mulher, Cleusa Gonçalves, de 50, deitada numa maca na entrada do hospital, esperou quatro horas para que ela retirasse um dreno.

"É muita gente, está tudo lotado", disse Gonçalves, morador de Pedreira. Na 30.ª semana de gravidez, de alto risco, Paula de Oliveira, de 26 anos, chegou às 5 horas no HC e foi atendida após seis horas.

Em Sorocaba, o Hospital Regional --referência para 48 cidades e que atende os estudantes da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) para residência-- convive com a falta de insumos básicos. Pacientes afirmam que tiveram de comprar fraldas e pomadas. Não há local para abrigar os doentes após o tratamento. 

No dia 1.º, Leonilda Batista, de 73 anos, foi colocada de maca na calçada até a chegada da ambulância da prefeitura de Mirandópolis, que a levaria para casa. O veículo municipal tinha seguido para São Paulo com outros pacientes e só voltou à noite.

Em março, a Justiça determinou perícia no Conjunto Hospitalar, que integra o Regional, para apurar denúncias de falta de materiais básicos, equipamentos e de vagas para pacientes que necessitam de serviço especializado, áreas em péssimo estado de conservação e infestação de insetos.

A reportagem constatou que pacientes são atendidos em macas, no saguão, por causa da superlotação. A PUC-SP afirmou que os alunos do câmpus de Sorocaba utilizam pouco a estrutura do Conjunto Hospitalar, pois concentram as atividades no Hospital Santa Lucinda.

Na ambulância

No Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, que atende à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão, as pessoas eram atendidas dentro das ambulâncias, do lado de fora, por falta de leitos, macas e de espaço físico na emergência, na madrugada do dia 7.

Pacientes reclamam da dificuldade para conseguir atendimento em Ortopedia --há 2,3 mil pessoas esperando na região pelo procedimento, segundo o Departamento Regional de Saúde. O educador social Nilson Gabriel da Costa, de 52 anos, aguarda por uma prótese no joelho há cinco anos. Em nota, o HC informou que há limitação orçamentária para fornecimento de órteses e próteses.

No Hospital das Clínicas de Marília, ligado à Faculdade de Medicina de Marília (Famema), pacientes de radioterapia relatam interrupção do tratamento. "Meu marido faz radioterapia há seis meses, mas ficamos várias semanas sem tratamento porque o equipamento não estava funcionando.

Acho que isso prejudica a recuperação dele", disse a dona de casa Valnete Mariano Lima. A unidade informou que houve paralisação para manutenção preventiva de equipamentos.

A pediatria do Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos (UfsCar) registrou alta de mais de 60% no atendimento após o fechamento de unidades próximas.

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo
14 Junho 2017 | 03h00
Alta procura e falta de estrutura afetam hospitais universitários do interior de SP
Superlotado. O atendimento no PS do Hospital das Clínicas da Unicamp foi paralisado, em maio, por excesso de pacientes Foto: EPITACIO PESSOA /ESTADÃO
Falta de insumos básicos, como agulha, gaze e esparadrapo, e de vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), suspensão do atendimento no pronto-socorro e espera de até cinco anos por cirurgia. Esta é a realidade enfrentada por hospitais universitários no interior de São Paulo. Segundo gestores das unidades, a estrutura dos hospitais não acompanhou o crescimento da população e houve aumento da demanda com a migração de pacientes que perderam o plano de saúde privado e hoje estão na rede pública.

O Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, paralisou o atendimento no pronto-socorro adulto e infantil e na UTI pediátrica em maio em razão do excesso de pacientes. O pronto-socorro (PS) infantil ficou fechado por uma semana para novos casos e procedimentos eletivos foram suspensos. O PS adulto fechou por 24 horas, após chegar a 72 macas instaladas onde cabem 28. "Foi uma medida dura, mas necessária, em razão da superlotação", afirmou o superintendente do HC da Unicamp, João Batista de Miranda.

Um grupo de trabalho do HC investiga a morte da doméstica Marlene de Lourdes Spíndola, de 49 anos, em 26 de maio. A triagem para novos pacientes estava suspensa e ela, com dores no peito, não conseguiu atendimento. Foi levada para um posto municipal, onde morreu de enfarte. "Ela estava mal, com muita dor, e foi mandada de volta", disse a cunhada Fátima Spíndola, de 59.

NEWSLETTER Manchetes
Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade


Digite seu e-mail
ASSINAR
Segundo Miranda, quando a doméstica morreu, de 50% a 60% dos pacientes internados eram oriundos do PS. Com a unidade superlotada, houve falta de espaço até para a circulação de médicos e enfermeiros. "Tudo tem limite e tivemos de agir para manter a qualidade do atendimento, que é inegociável. Há risco de que isso se repita. Nossa UTI pediátrica tem capacidade para 10 leitos e hoje está com 14 (os quatro extras são improvisados)." A situação deve perdurar até setembro, quando as obras da nova UTI, com 20 leitos pediátricos, serão entregues.

Pacientes também enfrentam espera e lotação. O funcionário público Argemiro Gonçalves, de 59 anos, que acompanhava sua mulher, Cleusa Gonçalves, de 50, deitada numa maca na entrada do hospital, esperou quatro horas para que ela retirasse um dreno. "É muita gente, está tudo lotado", disse Gonçalves, morador de Pedreira. Na 30.ª semana de gravidez, de alto risco, Paula de Oliveira, de 26 anos, chegou às 5 horas no HC e foi atendida após seis horas.

Alta procura e falta de estrutura afetam hospitais universitários do interior de SP
Gravidez de risco. Paula levou seis horas para ser atendida Foto: EPITACIO PESSOA /ESTADÃO
Em Sorocaba, o Hospital Regional - referência para 48 cidades e que atende os estudantes da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) para residência - convive com a falta de insumos básicos. Pacientes afirmam que tiveram de comprar fraldas e pomadas.

Não há local para abrigar os doentes após o tratamento. No dia 1.º, Leonilda Batista, de 73 anos, foi colocada de maca na calçada até a chegada da ambulância da prefeitura de Mirandópolis, que a levaria para casa. O veículo municipal tinha seguido para São Paulo com outros pacientes e só voltou à noite.

Em março, a Justiça determinou perícia no Conjunto Hospitalar, que integra o Regional, para apurar denúncias de falta de materiais básicos, equipamentos e de vagas para pacientes que necessitam de serviço especializado, áreas em péssimo estado de conservação e infestação de insetos. O Estado constatou que pacientes são atendidos em macas, no saguão, por causa da superlotação. A PUC-SP afirmou que os alunos do câmpus de Sorocaba utilizam pouco a estrutura do Conjunto Hospitalar, pois concentram as atividades no Hospital Santa Lucinda.

Na ambulância
No Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, que atende à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão, as pessoas eram atendidas dentro das ambulâncias, do lado de fora, por falta de leitos, macas e de espaço físico na emergência, na madrugada do dia 7. Pacientes reclamam da dificuldade para conseguir atendimento em Ortopedia - há 2,3 mil pessoas esperando na região pelo procedimento, segundo o Departamento Regional de Saúde. O educador social Nilson Gabriel da Costa, de 52 anos, aguarda por uma prótese no joelho há cinco anos. Em nota, o HC informou que há limitação orçamentária para fornecimento de órteses e próteses.

No Hospital das Clínicas de Marília, ligado à Faculdade de Medicina de Marília (Famema), pacientes de radioterapia relatam interrupção do tratamento. "Meu marido faz radioterapia há seis meses, mas ficamos várias semanas sem tratamento porque o equipamento não estava funcionando. Acho que isso prejudica a recuperação dele", disse a dona de casa Valnete Mariano Lima. A unidade informou que houve paralisação para manutenção preventiva de equipamentos.

A pediatria do Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos (UfsCar) registrou alta de mais de 60% no atendimento após o fechamento de unidades próximas.

Tabela do SUS está defasada, diz secretaria

A Secretaria Estadual da Saúde afirma que os hospitais universitários são fundamentais para a assistência de maior complexidade ofertada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e se tornaram vítimas do subfinanciamento federal, em razão da defasagem na tabela de pagamentos do Ministério da Saúde.

O último reajuste da pasta na tabela SUS para o HC da Unicamp, por exemplo, ocorreu em 2012. Segundo a secretaria, o aumento na demanda dos serviços públicos afeta todo o sistema e se deve, em grande medida, à crise econômica, que tem levado mais gente para a rede pública.

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), 678 mil paulistas deixaram os planos de saúde desde 2013. Desde então, os hospitais estaduais tiveram alta de 10% no volume de internações. O número de cirurgias cresceu 13% - foram 400,3 mil em 2016.

A pasta informou que auxilia os hospitais universitários e citou como exemplo o Conjunto Hospitalar de Sorocaba, que recebeu R$ 15 milhões em reformas, ampliação e modernização nos últimos anos. "A denúncia sobre falta de materiais básicos é indevida, uma vez que o hospital realiza planejamento periódico dos estoques", diz a secretaria, em nota.

O governo afirma ter investido R$ 30,1 milhões em melhorias na unidade de Marília, R$ 160 milhões no HC de Ribeirão Preto e R$ 218 milhões, desde 2015, no Hospital das Clínicas de Campinas e Botucatu e no Hospital de Base de Rio Preto.

Governo federal

O Ministério da Saúde informou que nos últimos 12 meses ampliou em R$ 246 milhões os recursos destinados ao Estado de São Paulo para o atendimento hospitalar de média e alta complexidade.

De acordo com a pasta, além dos recursos para custear os serviços de média e alta complexidade, repassados para Estados e municípios, os hospitais citados estão habilitados para receber do ministério verba referente às redes de urgência e emergência, no valor total de R$ 31,8 milhões, com exceção do Conjunto Hospitalar de Sorocaba e do HC de Marília. O ministério não comentou a queixa sofre a defasagem da tabela do SUS.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos