SP receberá mais 1 milhão de doses de vacina contra febre amarela

Lígia Formenti

Em Brasília

O Ministério da Saúde vai enviar nesta semana mais 1 milhão de doses de vacina contra febre amarela para São Paulo. O reforço foi acertado num telefonema nesta sexta-feira (12) entre o ministro Ricardo Barros e o governador Geraldo Alckmin, diante do crescimento expressivo da demanda. Na última semana, com o aumento de casos da infecção no Estado, houve uma corrida aos postos de saúde. Longas filas se formaram, mesmo em áreas consideradas livres de risco.

"Como a demanda é grande, falamos com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e ele vai mandar mais 1 milhão de doses. As primeiras 500 mil chegam amanhã, além daquelas 7 milhões que serão do esforço concentrado de fevereiro", disse o governador Geraldo Alckmin, que participou da 45ª Feira Internacional de Calçados, Artefatos de Couro e Acessório de Moda, na zona norte da capital paulista.

Desde que foram confirmadas novas mortes por febre amarela, tem sido registradas filas em postos de saúde de todo o Estado, até por quem não tem indicação para a vacinação.

"É importante não ter pânico. O trabalho está sendo bem feito e a prioridade são aquelas áreas, corredores, onde as pessoas têm mais aproximação da área da mata. Não há desde 1942, febre amarela urbana, a febre amarela é silvestre", ressaltou Alckmin.

Pelos cálculos do Ministério da Saúde, com o reforço, o potencial de pessoas que receberão a imunização sobe para 7,3 milhões em 53 municípios, incluindo a capital.

Leia também: 

Conforme o Estado antecipou, São Paulo inicia a partir de fevereiro o fracionamento da vacina de febre amarela em locais considerados prioritários. A estratégia vai até dia 24 de fevereiro. A expectativa é imunizar 6,3 milhões de pessoas. Desse total, 4,9 milhões deverão receber a dose fracionada (com um quinto da vacina integral) e 1,4 milhão, a dose padrão.

Bahia e Rio também vão aplicar a vacina fracionada, mas a partir de 19 de fevereiro. Nesses dois Estados, as campanhas com doses fracionadas, realizadas em cidades consideradas prioritárias, irão até 9 de março.

Com fracionamento, um frasco com 5 doses da vacina de febre amarela pode vacinar 25 pessoas. Embora a dose seja menor, estudos demonstram que a vacina fracionada oferece a mesma proteção de que a vacina integral. A diferença é o tempo de proteção. Com doses menores, a vacina tem uma proteção de oito anos. De acordo com as recomendações atuais, com a vacina integral basta apenas uma dose da vacina, sem necessidade de reforço.

O Ministério da Saúde decidiu ampliar a área de vacinação diante da expansão da circulação do vírus e da identificação de casos de macacos infectados em áreas muito populosas. Não há, de acordo com a pasta, informações de casos de febre amarela urbana. O infectologista e coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, Marcos Boulos, disse ser mínimo o risco de reintrodução da febre amarela urbana. O último caso registrado no País foi em 1942. "A transmissão da forma urbana é feita pelo Aedes aegypti. O que se acredita, no entanto, é que nos últimos anos o mosquito em circulação no País perdeu em parte a capacidade de transmitir o vírus da febre amarela", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos