Topo

Butantã vai compartilhar descobertas científicas na vacina contra a dengue

13/12/2018 07h21

São Paulo - O Instituto Butantã assinou nesta quarta-feira, 12, acordo de cooperação com a farmacêutica MSD para compartilhar as descobertas científicas que fez até agora na pesquisa de uma nova vacina contra a dengue. A empresa americana pagará até U$ 101 milhões (cerca de R$ 390 milhões) ao Butantã pela transferência de tecnologia e de informações do estudo - U$ 26 milhões (cerca de R$ 100 milhões) de imediato e o restante por metas.

O imunizante em desenvolvimento pelo Butantã é considerado um dos mais promissores por ter apresentado eficácia de 85% a 90% em fases de pesquisa anteriores e por já estar em fase avançada de testes em humanos. A MSD também estuda, em paralelo, vacina contra a dengue com as mesmas especificações, mas ainda está fase inicial.

Com a parceria, o instituto também ganhará royalties sobre a venda do produto pela MSD no mercado internacional, isso porque o Butantã terá os direitos de comercialização no Brasil e a MSD, no exterior.

Para Dimas Tadeu Covas, diretor do instituto, além dos recurso extra que a entidade receberá da MSD, a parceria é positiva porque mostra a qualidade da pesquisa brasileira. "O Brasil costuma ser um importador de tecnologia e, com essa parceria, vamos estar exportando tecnologia e conhecimento."

Diretor de acesso e relações governamentais da MSD, Guilherme Leser diz que a empresa poderá colaborar ainda com a aprovação do produto em outros países, por sua experiência internacional. O Butantã espera que a vacina chegue ao mercado em 2020, três anos depois do prazo prometido em 2015. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fabiana Cambricoli