PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Opas: Brasil enfrenta segunda onda na pandemia de nível nacional

O gerente de Incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri, ressaltou a importância de se buscar controlar a disseminação de outras cepas da covid-19 - Nanographics GmbH
O gerente de Incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri, ressaltou a importância de se buscar controlar a disseminação de outras cepas da covid-19 Imagem: Nanographics GmbH

Gabriel Bueno da Costa

03/03/2021 15h27

Gerente de Incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri destacou hoje o fato de que o Brasil enfrenta uma segunda onda na pandemia da covid-19 "em nível nacional". Durante entrevista coletiva virtual da entidade, Aldighieri disse que, nos últimos três meses, nota-se uma segunda onda de casos da doença no país. "É crucial reduzir as transmissões no Brasil, como em outros países da América do Sul", alertou.

Aldighieri citou o Acre, ao dizer que o estado enfrenta uma "emergência de saúde", também diante de casos de dengue, e também mencionou a pressão sobre os sistemas de saúde em estados da região Nordeste, antes de alertar para a gravidade do quadro nacional.

Nesse contexto, Aldighieri ressaltou a importância de se buscar controlar a disseminação de outras cepas da covid-19. "Essas variantes são uma preocupação global, e também na região", notou, ao comentar que elas podem afetar o potencial de transmissão e também a eficácia das vacinas disponíveis. De qualquer modo, ele insistiu: "As medidas para conter as transmissões são as mesmas" no caso das cepas, como por exemplo a lavagem das mãos e o distanciamento social. Aldighieri ainda disse que especialistas avaliam neste momento o papel da variante P1, localizada inicialmente no Brasil.

Também presente na coletiva, o diretor assistente da Opas, Jarbas Barbosa, respondeu sobre a possibilidade de que, em alguns países, estados busquem suas opções para vacinar contra a covid-19, em contextos de problemas do governo federal nessa frente. "De maneira geral, a vacinação funciona melhor com coordenação central", argumentou, ao considerar que governos locais buscando imunizantes com distintos fornecedores podem representar "um desafio" para organizar esse processo.

Coronavírus