PUBLICIDADE
Topo

Conheça os alimentos que protegem o coração

Carla Conte

Do UOL, em São Paulo

04/10/2012 07h00

Abacate, sardinha, nozes, cacau, aveia. Pode parecer que não, mas existe algo em comum entre eles: esses ingredientes têm o poder de atuar em defesa do coração, minimizando os riscos de males como a angina (dor no peito decorrente de baixa oxigenação), infarto (ataque cardíaco) e insuficiência cardíaca.

Isso porque eles apresentam nutrientes e substâncias poderosas, como o ômega 3, 6 e 9, vitaminas C, E e do complexo B, selênio e fibras, que têm ampla ação protetora no organismo: reduzem os níveis de colesterol e de açúcar no sangue, controlam a pressão arterial, mantêm as veias flexíveis e relaxadas, evitam o acúmulo de gordura e ganho de peso.

Além desses produtos, vários outros também se revelam amigos do coração, inclusive alguns que, por décadas, foram injustamente taxados como grandes vilões – caso do ovo e do chocolate. “Pesquisas comprovaram que o consumo do cacau, por exemplo, pode reduzir a pressão arterial devido aos seus antioxidantes, como epicatequina”, afirma a nutróloga ortomolecular Tamara Mazaracki, do Rio de Janeiro.

Já o ovo, antes banido por se acreditar que elevava o colesterol, mostrou ser um alimento funcional devido aos seus nutrientes, como a colina, substância importante para o sistema nervoso central e que ajuda a reduzir o nível de gorduras no sangue.

“Estudos demonstraram que o consumo regular de até um ovo por dia não aumenta o colesterol nem a incidência de doenças cardiovasculares”, afirma o cardiologista Guilherme de Menezes Succi, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular.

Grandes culpados

Hoje, mais do que nunca, cuidar bem do coração virou palavra de ordem: as doenças cardiovasculares, que afetam o coração e os vasos sanguíneos, como infarto e derrame cerebral,  são responsáveis por um terço das mortes no Brasil e no mundo. Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), elas matam 17 milhões de pessoas no mundo a cada ano e, em 2015, devem fazer 20 milhões de vítimas fatais.

Um dos principais responsáveis pelos problemas cardíacos é a hereditariedade. Porém o estilo de vida também conta, e bastante: pessoas obesas, fumantes, sedentárias, muito estressadas, ou que sofram de diabetes, hipertensão e colesterol alto estão mais suscetíveis a esses distúrbios. “Esses fatores aumentam consideravelmente os riscos de danos ao coração, mesmo em pacientes que não têm casos na família”, afirma o cardiologista Silvio Reggi, da Universidade Federal de São Paulo.  

Apesar da multiplicidade de fatores que podem prejudicar a saúde cardíaca, a adoção de uma alimentação balanceada é uma das táticas mais efetivas de se proteger o organismo. “Uma dieta equilibrada é capaz de reduzir cerca de 20% o risco de doenças cardíacas”, diz o cardiologista e nutrólogo Daniel Magnoni, do HCOR - Hospital do Coração, de São Paulo.

Adquirir hábitos saudáveis também é fundamental, como praticar uma atividade física aeróbica regular (como correr, nadar, pedalar, 30 minutos por dia), não fumar, beber moderadamente e ter momentos de lazer e relaxamento. Tudo isso conta a favor do coração.

Da teoria para a mesa

Já que dieta balanceada é uma forma de cuidar do corpo, nada melhor do que privilegiar os alimentos que conferem uma proteção extra ao coração na hora de montar o prato. Porém não vale a premissa de quanto mais melhor: alguns deles são altamente calóricos – caso do azeite e das frutas oleaginosas (nozes, castanhas, etc.). Por isso, é preciso acertar na dose para não correr o risco de favorecer o ganho de peso, que é um fator de risco para problemas cardíacos.

Confira no álbum acima alguns dos maiores amigos do coração à mesa, listados pela nutróloga Tamara Mazaracki, e como incluí-los na sua dieta. E lembre-se: gorduras saturadas (carnes vermelhas gordas, creme de leite, manteiga, etc), gordura trans (presentes em biscoitos e produtos industrializados), frituras, sal e carboidratos refinados (açúcar, arroz e pão brancos, etc) só devem entrar na refeição em doses bem moderadas.