Topo

"Governo nem checa se estrangeiro é médico", diz autor do blog Cubanadas

Reprodução
Reprodução do blog Perito.Med - Cubanadas criado para expor os erros dos participantes do Mais Médicos Imagem: Reprodução

Cármen Guaresemin

Do UOL, em São Paulo

2014-01-15T07:00:00

2014-01-29T10:20:16

15/01/2014 07h00Atualizada em 29/01/2014 10h20

Duas páginas na web entraram para a barra de favoritos daqueles que são contrários ao Mais Médicos, anunciado em julho do ano passado pelo governo de Dilma Rousseff. Ambas mostram falhas de médicos estrangeiros participantes do programa, como receitas prescritas com dosagens consideradas incorretas ou erros de português. A primeira é um Tumblr que leva o mesmo nome do Mais Médicos e a segunda, que já existia antes do programa, é o blog Perito.med, que criou um espaço voltado apenas para o que chamam de erros e bizarrices do programa: Cubanadas.

Os criadores do Tumblr permanecem anônimos. Mas vários posts da página são reproduzidos do Cubanadas, fundado por dois médicos - o anestesista Héltron Xavier, formado pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), e o infectologista Francisco Cardoso, formado pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) - que trabalham como peritos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em Natal e São Paulo, respectivamente.

Cardoso, de 33 anos, é quem administra e alimenta com mais frequência as notas publicadas, segundo ele, só após confirmação. Na entrevista a seguir, ele explica o que o motiva a continuar sua batalha contra o programa:

  • Arte UOL

    Saiba qual a proporção de médicos em cada Estado e o panorama em outros países

UOL – O blog foi criado para falar sobre o programa Mais Médicos?
Francisco Cardoso – O blog Perito.med existe desde 2010 e foi criado por nós, peritos do INSS, com a intenção de defender e valorizar a categoria e denunciar erros e má gestão. Seria a voz da categoria, mas se tornou um blog técnico sobre medicina, pois a maioria dos concorrentes aborda o tema superficialmente. Depois, acabou virando um espaço de defesa da medicina especialmente em relação ao Estado. Nenhum governo tratou o tema como se deve, mas o atual se aprimorou na arte de destruir a classe médica.

UOL – Por que “Cubanadas”?
Cardoso – Antes mesmo do anúncio do Mais Médicos, sabíamos da intenção do governo de trazer médicos de fora. Na primeira semana de atendimento dos estrangeiros já chegaram relatos de erros. Eram prescrições bizarras. Começamos a publicar em uma página do site à parte e a audiência explodiu.  Pedíamos o material e o primeiro a chegar foi o caso de um médico argentino que atendia no Rio Grande do Sul e que receitou uma dose errada de antibiótico. Ele veio de Buenos Aires, onde era um radiologista, para ganhar mais aqui, claro.

UOL – Todos os médicos não podem atuar como clínicos?
Cardoso – Sim, mas existe um bom senso entre a classe. Se um profissional passa 20 anos vendo raios-X, é claro que será difícil atuar como clínico, por exemplo. Demos a nota sobre o caso e nossa audiência, que era de 6.000 a 8.000 visitas, pulou para 200 mil por dia. Muitos veículos fizeram reportagem usando essa nota.  Daí, médicos começaram a nos enviar material, mas também encontramos notas em redes sociais, por exemplo.

UOL – Vocês checam as informações?
Cardoso – Checamos tudo! Se não encontramos nada que comprove, não publicamos.  Mas voltando a sua pergunta, a nova página foi chamada de Cubanadas porque a maioria dos médicos do programa veio de Cuba. Juntamos cubanos com pataquadas.

UOL – Mas mostram os erros dos brasileiros também?
Cardoso – Sim, o site foi criado para isso. Inclusive fomos duramente criticados por colegas que diziam que não deveríamos tornar isso público. Mas a boa medicina não pode encobrir a má prática. Temos mais casos de brasileiros no site, porque a página existe há três anos. O Mais Médicos tem apenas alguns meses, mas em porcentagem, o programa tem mais casos de erros.

UOL – O que vocês criticam no programa?
Cardoso – Criticamos o método. Na verdade, o governo nem checa se esses estrangeiros são médicos. Eles também não têm tempo de preparo e isso resulta em erros. São erros tão grosseiros que colocam em dúvida se são médicos de fato. Quando é demais, acaba vertendo para o escracho. Eu mesmo tentei me inscrever diversas vezes no programa, mas nunca conseguia finalizar por problemas no site. Só acontecia isso com brasileiros.

UOL – Os estrangeiros deveriam fazer o Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos)?
Cardoso – Sim, deveriam. Dizem que o exame é difícil. Mas é uma prova fácil. Difícil é passar na residência da USP (Universidade de São Paulo) ou na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).  Eles precisam ter proficiência em Português também. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, sempre compara o sistema de saúde do Brasil com o da Inglaterra, mas lá o médico que vem de fora tem de falar inglês.

UOL – Não acha que a população era simpática aos médicos locais até o incidente em Fortaleza, quando vaiaram os profissionais cubanos?
Cardoso – Aquilo foi uma armadilha! Criaram uma situação para gerar comoção. Nunca foi intenção dos brasileiros ofender os cubanos. Eles são vítimas, suas famílias estão presas em Cuba. Eles não podem dar um passo em falso aqui. Nosso desejo é que eles fiquem com todo o dinheiro que recebem.

UOL – Você diz que foi uma armadilha...
Cardoso – O sindicato médico da região organizou uma manifestação durante uma aula dos estrangeiros. Ele incitou médicos brasileiros jovens, recém-formados e inexperientes contra os cubanos. Isso foi agravado pela presença de membros do governo e virou uma briga de torcidas.  Jogaram um médico cubano negro na frente de duas médicas brasileiras brancas e estava pronta a foto. Isso passou para a sociedade uma imagem de intolerância que o governo queria.  A presidente pediu desculpas para este médico depois, mas não pede desculpas para os brasileiros. Inclusive os que estão sendo demitidos para que os estrangeiros entrem em seus lugares. Se eu encontrasse um médico cubano levaria para minha casa e o deixaria se libertar. Não, eu o levaria para a embaixada dos Estados Unidos, como fizeram os médicos de um programa parecido na Venezuela.

UOL – A população não está mais apoiando os brasileiros.
Cardoso – Claro, o governo está difamando os médicos brasileiros, pegando como exemplo aqueles que batem ponto e não atendem os pacientes, como se isso fosse a regra.

UOL – Mas o motivo da vinda dos estrangeiros é a falta de médicos em regiões carentes.
Cardoso – O estrangeiro vem e é pago com salários que poucos ganham aqui pelo turno de trabalho. O prefeito de Porto Alegre e presidente da Frente Nacional de Prefeitos, José Fortunati (PDT), havia aberto vagas para cirurgião vascular com salário de R$ 900. Todas as cidades que apareciam sem nenhum médico já os tiveram. Eles foram embora porque não há plano de carreira; porque foram ameaçados por prefeitos por não terem aceitado algo; por terem ficado mais populares que as famílias que dominavam a região; porque não havia escolas para seus filhos, não podiam descansar nem aos domingos, pois só havia um médico na cidade.

UOL – Acha que as pessoas veem o médico como um ser especial?
Cardoso – O médico é um trabalhador como outro qualquer. Precisa de cobertura trabalhista, jurídica e sanitária, de férias, alimentação e descanso. Dizem que os brasileiros não querem sujar os pés e ir para lugares distantes, mas quem tem de fornecer os meios é o Estado. Há pessoas que deixam suas famílias para cuidar de outras. Elas são altruístas, isso é um dom pessoal, intransferível. Todos têm direito a ter famílias. Se só as grandes cidades oferecem meios de se ter o que se precisa, nada mais natural que você querer ficar nelas.

UOL – Não acha que um médico faz a diferença nestes locais?
Cardoso – Onde falta médico, falta enfermeiro, dentista, professor, policial, encanador, falta tudo! Já me perguntaram se eu não iria para ganhar R$ 30 mil. Para quê? Para ver gente morrendo todos os dias?! Isso porque às vezes não há nem soro. Assim, o profissional prefere ganhar menos. A sociedade exige que o médico trabalhe gratuitamente. Se eu for colocar gasolina no carro num posto, tenho de pagar. Mas se o dono do posto ficar doente e for ao hospital, ele quer ser tratado gratuitamente. E o Estado tem de arcar com isso.

UOL – Não acha que ir contra o programa é uma luta perdida?
Cardoso – Nós vamos até o fim! As entidades médicas estão se mobilizando para lutar contra o programa em 2014, mas não faço ideia do que será feito.  O blog já atingiu uma audiência tão grande que conseguimos saber de coisas que acontecem em tempo real. Eu digo que ele é uma discreta contribuição para a população ter acesso às informações e aos erros grotescos que estão sendo praticados.

UOL – Ao que tudo indica, o Ministro da Saúde será candidato ao governo de São Paulo. Acha que ele tem chances?
Cardoso – Sim, pois criaram uma bandeira para ele disputar: o Mais Médicos. É uma bandeira midiática e isso lhe dará vantagem. Dizem que o programa terá 14 mil participantes. Por ano, 15 mil médicos se formam no país. Não há falta de médicos. Falta é SUS (Sistema Único de Saúde).

A ANMP (Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social) enviou à reportagem do UOL uma nota frisando que a opinião do entrevistado não representa a mesma da entidade. Segue abaixo a íntegra do texto:

"Queremos informar que o blog perito.med não representa, de forma alguma, a categoria dos peritos médicos previdenciários. A perícia médica previdenciária, carreira de Estado, é formada por mais de sete mil profissionais (entre ativos e aposentados) sérios e dignos. Esta carreira, da mais alta relevância para a sociedade, é representada única e exclusivamente pela ANMP (Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social). O blog citado na matéria não tem qualquer vinculação com à ANMP e não pode se propor a falar oficial, ou extraoficialmente pela categoria, já que representa apenas as opiniões pessoais de um grupo.

Quanto ao programa Mais Médicos, informamos que tal iniciativa do Governo também conta com o repúdio da ANMP assim como de toda a categoria médico pericial e em nosso site oficial este repúdio foi por diversas vezes manifestado. O Mais Médicos é um arremedo de solução que o governo encontrou para desviar as atenções dos graves problemas que a saúde pública brasileira enfrenta. Não faltam médicos, faltam investimentos, infraestrutura e tratamento digno para pacientes e profissionais médicos. Esta é a opinião da ANMP.

Lamentamos que a imagem da perícia tenha sido mais uma vez arranhada com os comentários postados após a entrevista do Dr. Francisco Cardoso, a respeito de um blog particular, no qual ele tem todo o direito de se manifestar, mas de forma alguma tem o direito de falar em nome de toda uma classe".

Abaixo segue a tréplica enviada por Francisco Cardoso:

"A respeito da nota da ANMP sobre a minha entrevista para a UOL sobre o blog perito.med e o programa Mais Médicos, venho a público para esclarecer:  em nenhum momento eu me posicionei como 'representante da categoria' na referida matéria, apesar de eu ser de fato representante, pois sou da diretoria do sindicato dos peritos. Eu me coloquei na matéria apenas como o editor do blog, com minhas opiniões pessoais, portanto, a motivação da resposta da ANMP é falsa, não houve tentativa de eu me passar por porta-voz desta entidade.
 
Quem "arranha" a imagem da perícia médica não sou eu e, sim, a ANMP com sua lamentável atuação, pífia em resultados e completamente apagada nos últimos anos, trazendo uma sucessão de derrotas para a categoria, motivo alías pelo qual o sindicato foi fundado. Lamento que a ANMP não preserve seus filiados e exponha em público essa divisão da categoria.
 
Jarbas Simas, presidente da entidade, se coloca contra o Mais Médicos mas fica difícil crer nisso quando vemos que o nobre colega é também membro de entidades francamente favoráveis ao programa, como o Simesp (Sindicato dos Médicos de São Paulo).
 
Evidente que o provável motivo da manifestação da ANMP em relação à minha entrevista foi apenas um só: 'pegar carona' no sucesso do blog Perito.med já que por si só são incapazes de conseguir espaços de valor na mídia. Não é novidade, o blog está cansado de pautar as ações da ANMP e continuaremos a fazê-lo com enorme prazer."

Mais Ciência e Saúde