PUBLICIDADE
Topo

Sofia embarca para os EUA para transplante pago pelo SUS

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Eduardo Schiavoni

Do UOL, em Americana

02/07/2014 04h39Atualizada em 02/07/2014 18h26

A bebê Sofia, de seis meses, embarcou na madrugada desta quarta-feira (2) para os Estados Unidos, onde fará um transplante multivisceral pago pelo governo, já que ela necessita do tratamento para sobreviver. A expectativa é que ela chegue em solo americano à tarde. O transporte será feito através de uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva) aérea, e, além da mãe, o pai da criança também irá.

Por volta das 2h da manhã de quarta, o voo da bebê saiu de Sorocaba para Goiânia, de lá foi para Mato Grosso (às 5h), Roraima e, então, partiu para os EUA. O voo, que tinha sido adiado pela presença de um furacão na Flórida, foi adiantado por causa da melhora climática no local.

Sofia sobre com síndrome de Berdon, uma doença rara que provoca problemas no intestino, bexiga e estômago, e, por isso, precisa do transplante. No Brasil, a cirurgia é feita pelo SUS de maneira experimental e a família optou por realizar a operação nos EUA, onde ela é feita há mais tempo.

 O procedimento, que será feito no Jackson Memorial Medical de Miami, custa R$ 2,4 milhões e será custeado pela União, que foi obrigada pela Justiça a pagar o tratamento e qualquer outro gasto extra que surgir. O dinheiro já foi depositado na conta do hospital.

Mais cedo, a mãe  Patrícia Lacerda  tinha informado que o voo seria apenas na quarta-feira (2) à tarde: “A Sofia seguirá para Miami. O voo será por volta das 18h”, disse aos seguidores dela no Facebook. Ainda segundo ela, o embarque originalmente seria na noite de terça, mas condições climáticas adiaram a viagem. “Tivemos notícias que o Estado da Flórida está sendo atingido por um furacão, então, por questão de segurança, embarcaremos amanhã”, disse Patrícia, que agradeceu às pessoas que colaboraram com a filha. “Obrigada a todos e assim que tivermos mais informações passaremos tudo a vocês”, disse.

Segundo o advogado Miguel Navarro, que representou a família no processo, todos os detalhes já foram resolvidos.

Histórico

Sofia nasceu em 24 de dezembro no Hospital das Clínicas da Unicamp, em Campinas, onde foi diagnosticada a doença. Após uma batalha judicial, a família conseguiu transferir a menina, em 23 de março, para o Hospital Samaritano, em Sorocaba, cidade mais próxima de Votorantim, onde moram os pais.

Depois de nova batalha judicial, em 24 de abril, ela foi transferida para o Hospital das Clínicas, em São Paulo, onde fez exames. Em 28 de maio, o desembargador Mário Moraes, do Tribunal Regional Federal, determinou que a União providenciasse a remoção de Sofia em um avião adaptado para os EUA. Depois disso, Sofia deixou o Hospital das Clínicas de São Paulo e foi transferida para o Hospital Samaritano, onde está internada à espera da viagem para os Estados Unidos.

Em 16 de junho, após não cumprimento da decisão, Navarro chegou a pedir a prisão do ministro da Saúde. O depósito foi feito dois dias depois e, desde então, a família aguarda que detalhes sejam resolvidos para que o embarque seja realizado.

Paralelamente, a família resolveu pedir ajuda financeira para tentar bancar o procedimento por contra própria. Foram arrecadados R$ 1,9 milhão em uma campanha pela Internet. A verba será depositada em uma conta para Sofia e irá custear aspectos não cobertos pela decisão, como manutenção da família nos EUA e compra de remédios. A família terá que passar pelo menos dois anos nos Estados Unidos.