Há um ciborgue entre nós: homem instalou antena na cabeça para ouvir cores

Maria Júlia Marques

Do UOL, em São Paulo

Talvez você ainda não saiba, mas os ciborgues já vivem entre nós. A prova viva de que a tecnologia está tomando conta até do nosso corpo é o britânico Neil Harbisson, 33. Ele nasceu com uma condição visual rara chamada acromatopsia, que consiste em não ver cores e enxergar apenas em tons de cinza.

Cansado da "mesmice" nas imagens e curioso para conseguir compreender as cores, Neil se tornou um ciborgue e instalou uma antena em seu crânio. Sim, você leu certo, uma antena.

Durante sua visita ao Campus Party neste sábado (30), em São Paulo, o britânico que cresceu em Barcelona, na Espanha, contou que tudo começou com a grande curiosidade que ele sentia de ver as cores na cidade. "Não conseguia diferenciar as linhas do metrô por não identificar as cores e quando alguém me perguntava se eu tinha visto um homem com camisa vermelha e cabelos verdes eu não podia nem imaginar do que se tratava", afirma. 

Reprodução
Neil só vê tons de cinza e usa uma "antena" para ouvir as cores
 

Em 2003, a vontade de compreender as cores chegou ao auge e então o Neil pediu a ajuda do cientista da computação Adam Montandon e outros colaboradores para criar uma tecnologia que permitisse que ele entendesse as cores. O resultado da pesquisa foi um olho eletrônico, que se assemelha a uma antena, e foi implantado atrás de sua cabeça. 

O dispositivo funciona como um sensor de cores, que detecta a frequência da cor e manda para um chip instalado na cabeça que, por sua vez, conduz essa frequência através do crânio e a transforma em sons. A engenhoca pode parecer coisa de ficção científica, mas é real e funciona bem. "Claro que não foi nada simples, tive que convencer médicos porque os primeiros que fui não aceitaram a proposta da cirurgia", explica.

Com o aparelho Neil passou a ouvir cores, apesar de continuar a não vê-las. "Escolhi que as cores aparecessem independente dos meus olhos, e para mim cada cor tem um som diferente e assim sou capaz de compreendê-las e senti-las", afirma.

O britânico memorizou o nome que se referia a cada barulho e com o tempo essas informações se tornaram uma percepção. "Nos primeiros dias tive dor de cabeça, era muito barulho. Mas fui me acostumando e começou a soar natural. Virou um sentimento e conseguia até sonhar com as cores".

A partir do momento que o cérebro de Neil conseguiu reproduzir as músicas por si só, como nos sonhos, ele compreendeu que o software e seu corpo estavam completamente unidos e que a tecnologia se tornou parte dele. Ele se transformou em um ciborgue.

"É uma extensão do meu cérebro, faz parte de mim e do meu corpo. Fica ligado 24h", explica. O aparelho funciona até durante o banho, por ser a prova d'água e só para de tocar as cores na hora que Neil vai dormir, pois a escuridão mostra uma ausência de cor que não emite sinais. 

Reprodução
Neil Harbisson aparece na foto de seu passaporte com o dispositivo na cabeça

Neil foi a primeira pessoa reconhecida por um governo como sendo um ciborgue e, mesmo não sendo permitido, conseguiu tirar a foto de seu passaporte usando sua antena após explicar para o governo inglês que não se tratava de um gadget e sim do seu corpo.

O britânico, então, passou a usar seu novo membro para criar, pois ele conseguia sentir as cores de um jeito único. "Ir para uma galeria de arte ou até ao mercado é como ir a um concerto de tantos barulhos de cores, enquanto ao ouvir uma música posso relacionar as notas com cores e pintar um quadro".

Com os sentidos da audição e visão interligados, Neil começou a pintar e criar músicas. Seus quadros surgem dos discursos de pessoas, músicas famosas ou do colorido das cidades que visita. Suas músicas são criadas a partir do que ele "vê e ouve" no rosto das pessoas.

Descobri que ouvir Mozart é uma experiência amarela, Justin Bieber é rosa e o rosto do príncipe Charles soa muito bem

Neil Harbisson

Após sua grande transformação, Neil consegue distinguir 360 cores e ouve até ultravioleta e infravermelho. Ele criou a Fundação Ciborgue, para encorajar as pessoas a aumentarem seus sentidos com ajuda de tecnologia, uma vez que ele compreendeu que nossos conhecimentos vem dos nossos sentidos e se os aprimorá-los apreenderemos muito mais. 

Reprodução
Em um de seus quadros Neil Harbisson desenhou um discurso de Hitler (à esq) e de Martin Luther King (à dir.)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos