Centenas de genes continuam "vivos" até dois dias após a morte

Maria Júlia Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Hannibal Hanschike/ Reuters

    Morrer é quando o coração para de bater ou quando os genes deixam de agir?

    Morrer é quando o coração para de bater ou quando os genes deixam de agir?

Quando ouvimos um médico declarar o horário da morte de alguém (como acontece em filmes e séries médicas, por exemplo), tendemos a achar que o corpo dessa pessoa "parou de funcionar". Mas a história pode não ser exatamente assim. Estudos com animais encontraram evidências de que os genes continuam trabalhando por até 48h após o óbito.

Pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, usaram ratos e peixes-zebras para provar que os genes continuam ativos depois da morte do animal e afirmam que há indícios de que o mesmo acontece em seres humanos.

A novidade pode ajudar a descobrir o horário de morte com mais precisão, talvez com minutos de diferença do evento, além de implicar no transplante de órgãos. O estudo está disponível no site BioRxiv.

Os cientistas Peter Noble e Alex Pozhitkov estavam envolvidos no estudo e mediram a quantidade de RNA mensageiro presentes nos corpos post-mortem. Quando há um aumento de RNA mensageiro, presume-se que os genes estão mais ativos. Assim, a equipe acompanhou milhares de vezes os níveis de RNA mensageiro em peixes-zebras e ratos por até quatro dias depois da morte das cobaias.

Seguindo a lógica, os níveis de RNA mensageiro foram diminuindo com o passar do tempo do óbito. Porém, 548 genes dos peixes-zebras e 515 genes dos ratos tiveram picos de atividade após a morte. Essa confirmação mostra que existe energia suficiente para algumas funções celulares continuarem ativas mesmo com o "organismo morto".

Além disso, centenas de genes com funções distintas "acordaram" imediatamente depois da morte, incluindo genes de desenvolvimento fetal, que costumam ser "desligados" após o nascimento, e genes que são associados com o câncer.

Estudos podem ajudar em transplantes

Own work
Estudo acompanhou atividade do RNA mensageiro de peixes-zebra após a morte
 O fato de alguns genes associados ao câncer serem ativados após a morte nos animais pode ser relevante para reduzir a incidência de câncer em pessoas que recebem transplantes de órgãos, explicou Noble ao site New Scientist.

O cientista acredita que é preciso analisar se os genes associados à doença realmente são ativados nos órgãos de doadores depois da morte, o que aumentaria a incidência de câncer em um transplantado.

Para o trabalho de ciência forense, os picos do RNA mensageiro depois da morte poderiam ser o mapa para um horário preciso do óbito, ajudando a reconstituir os eventos que antecederam o ato fatal.

Uma das hipóteses dos pesquisadores é que os genes continuam ativos após a morte por estarem, de alguma forma, querendo curar as lesões graves que o corpo sofreu, tentando protegê-lo ao achar que ainda está vivo.

E agora, você acha que morrer é quando o coração para de bater ou quando os genes deixam de agir?

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos