Pele

Tem espinha? Comemore: você envelhecerá menos que o resto do mundo

Do UOL, em São Paulo

  • Thinkstock

    Espinhas são problemáticas agora, mas podem ser bom sinal a longo prazo

    Espinhas são problemáticas agora, mas podem ser bom sinal a longo prazo

A espinha pode acabar com sua autoestima, mas calma: a longo prazo, você pode ser mais feliz. Um estudo publicado no periódico Journal of Investigative Dermatology apontou que quem tem espinha resiste mais ao processo de envelhecimento do que o resto da população.

Ou seja: as pessoas com acnes terão uma pele com aparência jovem por mais tempo. Principal autora do estudo, Simone Ribero, uma dermatologista do King College de Londres, afirmou que a descoberta confirma tendências observadas por médicos da área.

"Por anos, dermatologista identificaram que a pele de quem sofre de acne aparenta envelhecer mais devagar do que daqueles que não têm acne em nenhum momento. Apesar disso ser observado em exames clínicos, a causa até agora não era clara" Simone Ribero

A pesquisa comparou informação genética de mulheres com e sem espinhas – foram usadas 1.205 gêmeas, sendo que um quarto disse já ter tido acne. O resultado desses dados apontou que as mulheres com acnes apresentam telômeros (estruturas que formam as extremidades dos cromossomos nas células) mais duradouros do que as mulheres sem acnes.

O que isto significa? Na prática, as mulheres que já apresentaram espinha ao longo da vida têm suas células mais protegidas da deterioração que ocorre com o passar dos anos.

Os telômeros são estruturas que protegem o DNA no fim de nossos cromossomos – pense neles como aquele pequeno plástico no topo dos nossos cadarços. A cada vez que a célula se divide, o telômero diminui, até o ponto em que a célula não pode se replicar.

Quando a célula não pode mais se dividir, ela ou morre ou não funciona mais corretamente. O processo que deixa o telômero curto já foi associado ao envelhecimento, ao câncer e até a um risco maior de morte --fumo e obesidade aceleram o processo de encurtamento do telômero. 

A pesquisa tem algumas limitações. A maior é que os pesquisadores só foram capazes de estabelecer uma ligação entre a duração dos telômeros, as pessoas com espinha e o envelhecimento mais devagar. Contudo, não foi apontada a causa biológica que explique por que as pessoas com acne têm um processo mais lento de encurtamento dos telômeros.

Telômeros à parte, o estudo é um alento para quem sofre com espinha agora. Quem ri por último, ri melhor. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos