Além de mantê-lo vivo, respirar ajuda a reconhecer medo e melhora memória

Do UOL, em São Paulo

  • iStock

    Para melhorar a memória e não depender de post-its, lembre-se de inspirar bem fundo

    Para melhorar a memória e não depender de post-its, lembre-se de inspirar bem fundo

Pela primeira vez, cientistas descobriram que respirar tem outra função além de trazer oxigênio para o corpo. Um estudo publicado no Journal of Neuroscience afirma que o ritmo da respiração cria atividade elétrica no cérebro humano e potencializa a memória e os julgamentos emocionais.

Quando o assunto é recordar, a respiração se mostra importante durante a inalação. Segundo a pesquisa, somos mais propensos a nos lembrar de um objeto, por exemplo, se nós tivermos olhado para ele enquanto inspirávamos, e não quando expirávamos. Mas este efeito desaparece se a respiração for feita pela boca.

Os cientistas usaram 60 voluntários para testar a memória – ligada ao hipocampo do cérebro. Os participantes olhavam rapidamente para a imagem de um objeto na tela de um computador, e, mais tarde, os pesquisadores pediam para eles relatassem tudo que lembravam sobre a foto.

Após o teste, foi possível concluir que os que viram a imagem enquanto inspiravam tinha mais recordações do que aqueles que observaram a fotografia enquanto expiravam.

Os pesquisadores também avaliaram as relações entre atividade cerebral e respiração em sete pacientes com epilepsia que tinham cirurgias no cérebro programadas. Uma semana antes das operações, um médico implantou eletrodos no cérebro dos pacientes para identificar a origem das convulsões.

O método permitiu que os cientistas recebessem centenas de informações vindas diretamente dos cérebros. Assim, foram registrados sinais elétricos que mostraram a atividade cerebral mudando de acordo com a respiração.

As mudanças foram captadas em áreas do cérebro onde as emoções, a memória e os cheiros são processados, sugerindo também que as funções desempenhadas por essas áreas cerebrais (hipocampo e amígdala, responsáveis respectivamente pela memória e pelo processamento do medo) sejam diretamente afetadas pela respiração.

Respiração ajuda a detectar o medo?

iStock
No mesmo estudo, feito na Northwestern Medicine, os 60 voluntários foram testados para ver se a respiração os ajudava a identificar o medo, já que a parte do cérebro chamada amígdala está fortemente ligada ao processamento das emoções relacionadas ao medo.

Os indivíduos viam fotos de rostos com expressões de medo ou surpresa e tinham que indicar o mais rápido possível qual emoção cada face tinha.

Quando os voluntários olhavam as fotos durante a inalação, eles reconheciam caras assustadas mais rápido do que quando expiravam. Isso não acontecia com os rostos que expressavam surpresa. E ambos efeitos diminuíam quando a mesma tarefa era executada enquanto respiravam pela boca.

"Há uma diferença dramática na atividade cerebral na amígdala e hipocampo durante a inalação em comparação com a expiração", disse uma das autoras do estudo, Christina Zelano. "Quando você respira, descobrimos que você está estimulando os neurônios dessas áreas e ativando o reconhecimento do medo e a memória".

Agora quando você precisar lembrar algo ou estiver em uma situação de perigo, inspire fundo para respiração te ajudar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos