Cérebro e mente

Médicos operam cérebro com paciente acordado e sem dor; entenda a cirurgia

Aretha Yarak

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Reprodução

    Paciente toca saxofone durante cirurgia no cérebro

    Paciente toca saxofone durante cirurgia no cérebro

Imagine que você está deitado em uma mesa na sala de operações de um hospital. Enquanto os cirurgiões removem um tumor do seu cérebro, você está acordado e consciente. Ao seu lado, um membro da equipe começa a puxar papo e faz perguntas variadas, como "Quais os dias da semana?", "Qual a função de uma caneta?" e "De que cor é o céu?". Talvez você precise ainda resolver algumas operações matemáticas simples ou até mesmo tocar um instrumento musical ou cantar.

A cena pode parecer meio esquisita, mas tem se tornado cada vez mais comum. Esse tipo de procedimento é conhecido como "awake craniotomy" (craniotomia acordada, em tradução literal).

Feita com o crânio aberto, a cirurgia é usada para a remoção de tumores cerebrais que estão próximos às áreas que controlam visão, linguagem e movimento do corpo.

Tenor canta durante cirurgia de cérebro

O procedimento é escolhido preferencialmente quando o tumor está difuso pelo cérebro e não tem bordas bem definidas, a exemplo de alguns tipos de gliomas --no sistema nervoso central.

Com o paciente acordado, o cirurgião realiza diversos testes pelo cérebro, com pequenos choques elétricos. Funciona assim: enquanto o paciente está conversando, como é pedido nos casos em que o tumor está próximo às áreas que controlam a linguagem, o cirurgião vai dando esses pequenos choques nas regiões limítrofes. Se a área em risco é motora, os choques precisariam estimular algum movimento do corpo, como mexer os dedos.

Caso o paciente apresente alguma mudança no seu padrão de fala, por exemplo, como gaguejar ou ter dificuldade para lembrar uma palavra, o cirurgião sabe que foi longe demais. Aquela área faz parte do comando funcional e deve ser preservada. Essa delimitação é feita também com a ajuda de diversos eletrodos que são colocados no corpo do paciente e com imagens cerebrais tiradas antes e durante o procedimento.

O resultado é um refinado mapa digital da área ocupada pelo tumor.

Com essa localização precisa, é possível fazer a remoção com segurança, preservando a área funcional do cérebro."

Eduardo Urbano, neurocirurgião do Hospital Israelita Albert Einstein

Esse mapeamento não é o mesmo para todo mundo. Ele é feito com base na atividade que é importante para cada pessoa.

Reprodução/Gizmodo

Mapa individualizado

"Se o paciente é um matemático ou um músico, precisamos aumentar esse escopo para as áreas que controlam essas funções", explica Urbano. Por isso, é fundamental que o paciente esteja acordado e consciente durante a maior parte do procedimento.

A principal vantagem da cirurgia é a remoção de uma área maior do tumor, preservando a função cerebral que é importante para o paciente. Assim, se consegue menos déficits no pós-operatório e, consequentemente, uma melhor qualidade de vida para o paciente.

Além disso, o controle do tumor também é mais eficaz. Como grande parte dele é removida do cérebro, as chances de recidivas diminuem.

Dor e consciência

Apesar de estar acordado, o paciente não deve sentir dor. Para isso, existem três modelos de anestesia que podem ser escolhidos para a operação. São eles: o paciente fica acordado do começo ao fim da cirurgia; sedado no começo e no final e acordado no meio do processo; ou com anestesia geral no começo e no fim e acordado no meio.

A escolha é feita com base no caso clínico, no tempo de preparação para a operação e também pela preferência do paciente. "Algumas pessoas ficam ansiosas com o barulho da incisão no crânio, por exemplo, e preferem acordar depois", comenta Urbano.

Quando acorda no meio da operação, já sem os efeitos da anestesia geral ou da sedação inicial, o paciente estará apenas com uma analgesia local no couro cabeludo. O cérebro não é anestesiado, por que ele não dói. "O que causa dor é a pele, os vasos, a meninge e as estruturas ao redor [do cérebro]", comenta Eduardo Vellutini, neurocirurgião do Hospital Sírio Libanês.

A meninge é uma das membranas protetoras do órgão, que é anestesiada junto com o couro cabeludo.

"É imprescindível que o anestesista tenha uma série de recursos em mãos para conseguir manter o paciente consciente, porém sem dor", comenta Vellutini.

Esse tipo de operação dura, em média, de seis a oito horas. O paciente poderá ficar acordado, ajudando na operação, durante quatro horas.

O procedimento é feito no país há cerca de 10 anos, e tem se tornado cada vez mais frequente em consequência da evolução da tecnologia de suporte. Apesar de ser muito mais realizado nos casos de câncer, ele pode ainda ser uma opção para o mal de Parkinson. "Nesse último caso, os eletrodos estimulam locais que podem ajudar na redução dos tremores", comenta Urbano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos