PUBLICIDADE
Topo

O que funciona (e o que não serve de nada) na luta contra a rinite

Getty Images
Imagem: Getty Images

Fernando Cymbaluk

Do UOL, em São Paulo

21/06/2017 04h00

Fechar as janelas e tirar o cobertor do armário são as coreografias básicas de quando chega o frio. Mas, se feitas sem cuidados, elas nos expõem a fatores que provocam o aparecimento de rinite e sinusite. 

A rinite, que impede a entrada e saída de ar do nariz, leva à inflamação dos seios da face. Aí vem a sinusite, marcada pela dor nas maçãs do rosto na região da testa e dos olhos, pigarro e sensação de ouvido entupido. E um verdadeiro “exorcismo nasal”, que inclui vapor, pomadas mentoladas, soro e muito papel para assoar o nariz. O problema é que nem todos funcionam.

Quando a coriza e a congestão nasal não é acompanhada de febre e demora mais de 15 dias para sumir, ela está associada a alguma alergia que a pessoa possui. "Cerca de 60% dos casos de rinite são alérgicos", diz Clóvis Galvão, médico de imunologia clínica e alergia do Hospital das Clínicas de São Paulo. E quando são sintomas de gripe ou resfriado, possuem as mesmas características.

O excesso de catarro característico da rinite, quando se avoluma, provoca sinusite, que é a inflamação dos seios da face - Getty Images
O excesso de catarro característico da rinite, quando se avoluma, provoca sinusite, que é a inflamação dos seios da face
Imagem: Getty Images

No caso das alergias respiratórias, são diversos os fatores que podem desencadear uma crise. Fungos, pelo dos animais e pólen das flores estão entre eles, mas os principais vilões das casas são o pó e os ácaros que se proliferam em carpetes, cortinas, colchões, roupa de cama, travesseiros e casacos. Basta estarmos expostos àquele único fator que nos faz espirrar, que ficamos sensíveis a quase tudo.

"A pessoa fica hiper-sensibilizada e reage a outras coisas que irritam o nariz. Aí acha que é alérgica a tudo, mas não é! É uma coisa que provoca a alergia que não está controlada", explica Agrício Nubiato Crespo, otorrinolaringologista e professor da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Assim, para evitar a caixinha de lenço, é importante cuidar bem do ambiente e limpar tudo o que pode causar alergias. E quando os espirros chegam, é hora de também cuidar no nariz. Manter as narinas úmidas e limpinhas é o segredo fundamental. Veja algumas dicas baixo.

Soro fisiológico funciona?

Os especialistas explicam que manter a higiene nasal, deixar nariz sempre úmido e livre de secreção, é importante para promover alívio e evitar que a rinite evolua e cause sinusite. O nariz deve ser limpo com soro fisiológico. É possível promover limpeza aplicando soro e assoando o nariz. Não é necessário que a água percorra todo o canal nasal. Mas pressão e quantidade podem propiciar limpeza mais eficaz.

"Usar uma seringa ou uma jarrinha de barro (jarra de lota), com pressão ou volume, jogando em uma narina e deixando sair do outro lado, limpa mais, promove alívio maior", explica Galvão.

A limpeza do nariz com soro fisiológico pode ser feita de forma em que o líquido entre por uma narina e saia pela outra - Getty Images
A limpeza do nariz com soro fisiológico pode ser feita de forma em que o líquido entre por uma narina e saia pela outra
Imagem: Getty Images

Vaporizador melhora sinusite?

Segundo os especialistas, umidificar o ambiente com vaporizadores ou usar bálsamos, como pomadas mentoladas ou eucalipto, podem em alguns casos prejudicar em vez de ajudar.

"No caso da vaporização, o ambiente muito seco é ruim. Mas muito úmido propicia crescimento de ácaros e fungos", diz Galvão. Já produtos com cheiros fortes não são benéficos para todas as pessoas. "Para o alérgico, pode ser irritante e piorar", completa o médico.

Já vapor de água do banho ou fervida e inalação com soro fisiológico são bons tratamentos para catarro acumulado nos pulmões --como em bronquite--, mas "tem pouco impacto na rinite", explica Galvão.

É bom lembrar que a asma, marcada pela tosse crônica, falta de ar e chiado no peito, é problema alérgico e pode ser outra consequência da rinite.

Inalar vapor ajuda mais a desobstruir os pulmões. Já bálsamos feitos com mentol ou eucalipto podem piorar a crise em quem é alérgico - Getty Images
Inalar vapor ajuda mais a desobstruir os pulmões. Já bálsamos feitos com mentol ou eucalipto podem piorar a crise em quem é alérgico
Imagem: Getty Images

Quais remédios existem?

Quem possui alergia respiratória ou está com crise de rinite pode procurar um médico para realizar tratamento com medicamentos. Os remédios que evitam as crises são os corticosteroides que possuem uso tópico direto no nariz. É um medicamento a ser usado a longo prazo para controlar a rinite.

Já nos casos de crise exacerbada, é indicado o uso de anti-histamínicos, os chamados antialérgicos. Essas drogas inibem a ação da histamina, substância que é liberada nos quadros de rinite. Ela serve para aliviar os sintomas.

Ambos os remédios podem ser usados por quem possui rinite alérgica ou provocada por gripe ou resfriado. 

Os remédios anti-histamínicos e corticosteroides servem para aliviar os sintomas da rinite e evitar a exacerbação da alergia - Getty Images
Os remédios anti-histamínicos e corticosteroides servem para aliviar os sintomas da rinite e evitar a exacerbação da alergia
Imagem: Getty Images

Existe vacina para alergia?

É possível realizar tratamento com uso de vacinas contra o que causa a alergia. "Elas são indicadas apenas em quadros extremamente severos", diz Crespo. A vacina é feita a partir do elemento que causa a própria alergia. "Se você é alérgico ao ácaro, a vacina será feita com ácaro", diz o médico.

O tratamento começa com o diagnóstico do que causa a alergia e dura até três anos. A vacina possui eficácia de cerca de 70%. Optar pela vacina depende da gravidade da alergia e do quanto ela incomoda. "Há pessoas que convivem bem com a alergia", diz Galvão.

Parte significativa do peso de um travesseiro velho é composta por restos do corpo e das fezes de ácaros - Getty Images
Parte significativa do peso de um travesseiro velho é composta por restos do corpo e das fezes de ácaros
Imagem: Getty Images

Antes de tudo, o melhor é fazer uma boa faxina

Um ambiente limpo é ventilado, arejado e com sol. Assim deve ser sua casa e local de trabalho para afastar riscos de infecções e alergias. Aspirar o carpete e a cortina são algumas regras importantes. Quem é alérgico deve preferir ambientes de piso frio. Contra o bolor e manchas de umidade atrás de móveis, deixe a janela aberta e o sol entrar.

De todos os ambientes, o que exige maior atenção é o quarto. O ideal é que ele tenha praticamente só a cama para dormir, evitando prateleiras com livros e brinquedos que acumulam pó. Os ácaros são aracnídeos microscópicos que adoram todos esses lugarzinhos e talvez gostem mais do seu travesseiro e do seu cobertor do que você. E mesmo depois de mortos, as proteínas que compõem seus corpos continuam lá no travesseiro e no colchão, causando alergia.

Cobertores que estavam guardados devem ser lavados antes de serem usados e durante o período de frio, pelo menos uma vez por mês - Getty Images
Cobertores que estavam guardados devem ser lavados antes de serem usados e durante o período de frio, pelo menos uma vez por mês
Imagem: Getty Images

"A eliminação dos ácaros é mecânica, feita através da lavagem e da aspiração", diz Crespo. A lavagem da roupa de cama vai depender da rotina da família. O médico aconselha que ela seja feita uma vez por semana.

E cobertores, assim que sai do armário e a cada 3 ou 4 semanas durante o inverno. "Recomendo o uso de edredom no lugar de cobertor de lã, que é menos peludo, e o uso de capas anti-ácaros no colchão e travesseiro", completa.

Notícias