PUBLICIDADE
Topo

Mulher de 45 anos desenvolve condição rara após lipoaspiração e quase morre

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

28/09/2017 16h41

Uma britânica de 45 anos só queria remodelar seu corpo, mas desenvolveu uma condição rara e quase morreu, segundo relato médico publicado na revista científica "BMJ". 

A mulher, que não teve o nome divulgado, foi vítima da chamada síndrome da embolia gordurosa (FES), que é uma complicação da lipoaspiração na qual a gordura viaja pelo corpo e bloqueia os vasos sanguíneos do paciente. O grande problema, segundo o artigo, é que se trata de complicação difícil de reconhecer e diagnosticar.

Foi sua alta frequência cardíaca que serviu de alerta para os médicos que atenderam a britânica. A situação dela piorou assim que foi transferida para terapia intensiva, onde os especialistas suspeitavam que ela apresentava níveis de oxigênio perigosamente baixos em seu corpo (síndrome de dificuldade respiratória aguda).

Ela foi submetida a vários testes até que os médicos identificaram a FES. A paciente permaneceu internada por 14 dias, recebendo oxigênio e medicamentos para ajudar com a frequência cardíaca e a respiração. E, no fim, acabou se recuperando bem.

Ainda que enfatizem que a lipoaspiração seja um procedimento seguro, os autores do estudo ressaltam a importância de os médicos prestem atenção ao diagnóstico de embolia, especialmente em pacientes com fatores de risco --tais como aqueles com índice de massa corporal alto e retenção de líquidos (linfoedema).

Mulheres relatam erro médico em cirurgias plásticas

redetv