Johnson & Johnson é condenada a pagar 4 bi por usar amianto em talco

RFI

  • Youtube/*Reprodução

    Por mais de 40 anos, a Johnson & Johnson teria escondido amianto em seus produtos

    Por mais de 40 anos, a Johnson & Johnson teria escondido amianto em seus produtos

O laboratório americano Johnson & Johnson, um dos líderes mundiais da indústria farmacêutica, foi condenado nesta quinta-feira (12) a pagar uma multa de US$ 4,69 bilhões. Segundo o advogado representante das vítimas, Mark Lanier, um júri de seis homens e seis mulheres de uma corte em St. Louis, no estado de Missouri, decidiu condenar o grupo após seis semanas de julgamento e oito horas de deliberações.

A Johnson & Johnson teria dissimulado a presença de amianto, uma substância cancerígena, no talco da marca durante mais de 40 anos. A direção do laboratório nega formalmente a acusação e decidiu recorrer da decisão.

Leia também:

Mineradoras são condenadas a pagar R$ 31,4 mi por amianto

"Por mais de 40 anos, a Johnson & Johnson escondeu evidências de amianto em seus produtos", disse Lanier em um comunicado. "Esperamos que este veredicto chame a atenção da diretoria da J&J e os encoraje a informar melhor a comunidade médica e o público sobre a ligação entre o amianto, o talco e o câncer de ovário", disse ele. O advogado pede ao grupo farmacêutico para retirar os produtos em questão do mercado.

Grupo reage e fala em processo mal instruído

A J&J reafirma que o talco que comercializa não contém amianto e não causa câncer de ovário, indicando sua intenção de usar "todos os procedimentos de apelação disponíveis para contestar o veredicto".
   
Em um comunicado, o grupo farmacêutico diz ter ficado "profundamente desapontado com o veredicto". Na avaliação do laboratório, a condenação resulta de "um processo injusto, no qual denunciantes representando um grupo de 22 mulheres, a maioria delas sem ligação com o estado de Missouri, se reuniram num caso único, alegando terem desenvolvido o câncer de ovário ", afirma a nota da J&J.

O grupo estima que as provas apresentadas pelas denunciantes "não resistem ante prejulgamentos efetuados durante a fase de instrução". Segundo a J&J, foi por esta razão que o Tribunal de St Louis concedeu o mesmo montante de indenização para cada mulher, sem levar em conta uma análise individual dos casos e as diferenças jurídicas.

Cerca de 9 mil processos do mesmo tipo contra a J&J tramitam na Justiça americana, relacionando o aparecimento de casos de câncer ao uso do talco em questão. Em outubro do ano passado, uma corte de apelações de Los Angeles, na Califórnia, deu razão ao laboratório, rejeitando uma condenação de US$ 417 milhões em indenização. Segundo a corte californiana, os argumentos da denunciante foram "insuficientes e vagos".

Com informações das agências internacionais

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos