PUBLICIDADE
Topo

A cada 10 tentativas de suicídio por intoxicação no Brasil, 7 são mulheres

Suicídio também acomete quem tem estrutura familiar e acompanhamento médico -
Suicídio também acomete quem tem estrutura familiar e acompanhamento médico

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

20/09/2018 12h07

As mulheres representaram 69,9% do total de tentativas de suicídio por intoxicações exógenas no Brasil nos últimos 11 anos, revela estudo do Ministério da Saúde divulgado nesta quinta-feira (20). Entre 2007 e 2017, a pasta recebeu 220.045 notificações de pessoas que tentaram morrer se intoxicando.

De acordo com o Ministério da Saúde, 153,7 mil mulheres tentaram tirar a própria vida dessa maneira, enquanto os homens responderam por 66.045 casos. Eles, no entanto, morrem mais, proporcionalmente: "As intoxicações exógenas resultam em 4,7% de óbitos em homens e 1,7% nas mulheres", informa o governo.

Leia também:

O uso de medicamento é a principal forma de autointoxicação, com 74,6% das tentativas entre as mulheres e 52,2% entre os homens. Os outros métodos são raticida (9,4% elas e 17,5% eles) e agrotóxicos (14,1% eles e 5,1% elas). 

Ao todo foram 470.913 notificações por intoxicação nesses 11 anos. Quase metade, ou 46,7% (220.045), foram por tentativa de suicídio. Abuso (16,8%), intoxicação acidental (10,4%), uso habitual de substância (6,3%), alimento/bebida (5,5%) e outros (14,2%) completam o ranking. 

Estados com altos índices

Ainda segundo o ministério, os estados com maior número de tentativa de suicídio por autointoxicação são Sergipe, com taxa de 2,3 por 100 mil habitantes, Ceará (1,7) e Goiás (1,5). Regionalmente, o Sudeste concentra a maior quantidade de notificações: 49,3%, seguida por Sul (25,1%), Nordeste (17%), Centro-Oeste (6,6% e Norte (2,1%).

"O desemprego tem sido um fato de risco para tentativa de suicídio", afirma Maria de Fátima Marinho, diretora-geral do Departamento de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde do Ministério. Outra razão são "determinantes sociais", como pobreza e violência contra mulher. "As mulheres vítimas de violência têm risco maior de se suicidar, inclusive crianças e adolescentes."

Nos últimos 11 anos, essas tentativas de autointoxicação resultaram em 11 mil internações no SUS (Sistema Único de Saúde) ao custo médio de R$ 3 milhões ao ano. "Com esse valor é possível construir oito Caps (Centro de Atenção Psicossocial) por ano. Poderíamos investir mais em prevenção para reduzir as internações", diz Maria de Fátima.

O ministério informa que a existência de Caps em um município reduz em 14% o risco de suicídio. No último ano, a pasta construiu 109 centros, "uma vez que a saúde mental é a principal razão para o suicídio".

Enforcamento

As intoxicações exógenas são a segunda principal forma de suicídio, com 18% dos casos. Enforcamento, com 60%, é a principal razão. Arma de fogo (10%) e outros meios (12%) aparecem na sequência. Apesar de ser a segunda causa de óbitos, intoxicação é o principal meio utilizado na tentativa de suicídio, com 57,6% das ocorrências, seguida por objeto pérfuro-cortante (6,5%) e enforcamento (5,8%). 

Entre 2007 e 2016, foram registrados 106.374 óbitos por suicídio, independentemente da forma como a morte se deu. Nesse período, o Brasil registrou um aumento de 16,8% na taxa de mortalidade por essa razão para cada 100 mil habitantes.

Só em 2016, 11.433 pessoas tiraram a própria vida em todo o país. Naquele ano, a taxa de mortalidade por 100 mil habitantes foi de 9,2 entre o sexo masculino e de 2,4 entre as mulheres. Os indígenas são os que mais morrem por essa razão, com taxa de 15,2 mortes para cada 100 mil pessoas. Aparece na sequencia os brancos (5,9), negros (4,7) e amarelos (2,4). 

O ministério disponibiliza o número 188 para atender, gratuitamente, pessoas em aflição.