PUBLICIDADE
Topo

AL: Defensoria quer transferir pacientes psiquiátricos após denúncia do UOL

No quintal da residência terapêutica, paciente psiquiátrica dorme e defeca sem assistência médica - Aliny Gama / UOL
No quintal da residência terapêutica, paciente psiquiátrica dorme e defeca sem assistência médica Imagem: Aliny Gama / UOL

Do UOL, em São Paulo

19/12/2018 22h38Atualizada em 20/12/2018 19h36

A Defensoria Pública do Estado de Alagoas (DPE/AL) pediu nesta quarta-feira (19) o remanejamento imediato de pacientes de uma residência terapêutica da Prefeitura de Maceió. O pedido foi feito após reportagem do UOL denunciar maus-tratos aos pacientes psiquiátricos

Segundo denúncias coletadas pela reportagem, os pacientes abrigados na residência do bairro Gruta de Lourdes, na capital alagoana, não recebem tratamento médico, nem terapia ocupacional adequados. O local não tem placas indicativas da atividade desenvolvida ali dentro, nem do vínculo com o governo municipal.

Moradores das casas próximas relatam ouvir as internas gritando e queixando-se de fome, sede e calor. Há também relatos de supostas agressões físicas no período noturno. 

"A Defensoria Pública entende que há alternativas e que outras instituições de saúde mental de Maceió podem acolher tais pacientes, inclusive porque foram reformadas e melhoradas após uma ação civil pública da própria Defensoria Pública, em abril de 2017, como é o caso da Casa de Saúde Miguel Couto", diz nota oficial divulgada à imprensa. 

"Existem vagas atuais ociosas esperando ser utilizadas pelo SUS, como já foram anteriormente. O Município só não resolve essa grave crise na Residência Terapêutica mostrada na reportagem se não quiser", conclui a nota da Defensoria. 

A residência terapêutica de Gruta de Lourdes é gerenciada por uma organização social (OS) contratada pela prefeitura. Começou a funcionar em janeiro deste ano e abriga dez mulheres com transtornos mentais.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Maceió nega que as pacientes sofram maus tratos. Segundo a secretaria, as mulheres recebem atendimento no Caps (Centro de Atenção Psicossocial) Sadi de Carvalho. A pasta diz que os gritos e as cenas de nudez estão relacionados às patologias.