Topo

Novo estudo amplo do DNA descarta existência de um único "gene gay"

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

29/08/2019 18h57

O "gene gay", que supostamente definiria um indivíduo como homossexual, não existe. Um amplo estudo publicado na quinta-feira (28) pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) descartou a existência desse e afirmou: genes influenciam a orientação sexual, mas não a determinam.

Para chegar ao resultado, foram estudadas as informações genéticas de 470 mil pessoas. A pesquisa era baseada na teoria de que a orientação sexual das pessoas é influenciada pelas características genéticas, embora não soubessem exatamente sua importância.

O estudo sugere que existem cinco traços genéticos associados a homossexualidade. Muitos deles estariam relacionados "as vias biológicas para as hormonas sexuais e para o olfato".

Andrea Gana, autora principal do estudo, acredita que a identificação "fornece uma melhor percepção dos fundamentos biológicos do comportamento homossexual".

"Nossas descobertas enfatizam ainda mais a importância de resistir a conclusões simplistas. As variantes genéticas de uma pessoa não preveem se elas tenderão a envolver-se em um comportamento sexual com pessoas do mesmo sexo. Tudo isso ainda está longe de ser preditivos", diz a cientista, estimando ainda que 8% a 25% dos fatores que influenciam a preferência sexual surgem de contribuições genéticas.

Em termos científicos, há cinco locais do genoma humano em que uma alteração numa dessas moléculas parece influenciar ligeiramente a possibilidade de alguém ter uma predisposição natural para desenvolver uma afinidade sexual com alguém do mesmo sexo — mesmo que não seja homossexual.

Saúde