Topo

Mulher busca médico por pelo encravado na vulva e descobre câncer na região

Marisa Strupp, que foi diagnosticada com melanoma na vulva após uma protuberância surgir na região - Reprodução/Instagram
Marisa Strupp, que foi diagnosticada com melanoma na vulva após uma protuberância surgir na região Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

28/09/2019 13h35

Quando a americana Marisa Strupp descobriu uma pequena protuberância interna na vulva, em março de 2018, ela acreditava que era apenas um pelo encravado.

Ela foi ao médico e ao dermatologista com a intenção de remover o tal pele. Eles consideraram que não se tratava de nada grave, mas um sugeriu que ela procurasse um ginecologista.

"Eu não estava preocupada na época e estava muito ocupada no trabalho", disse a gerente de projetos à edição britânica do jornal Metro.

Em agosto, ela removeu a protuberância e o material retirado foi enviado para teste. A vida de Marisa mudou do dia para a noite quando ela foi informada de que estava com um melanoma na vulva em estágio três.

"Fiquei horrorizada, assustada e paralisada quando recebi a notícia. Nunca tinha ouvido falar em melanoma na vulva", disse ela.

O câncer de vulva é uma rara neoplasia maligna nas mulheres, que acomete principalmente os pequenos e grandes lábios. Este tipo de câncer costuma afetar, principalmente, mulheres na casa dos 50 e 80, o que tornou o caso da americana de 29 anos ainda mais raro.

O câncer se espalhou e a doença evoluiu para o estágio 3. Foram três cirurgias para retirar os tumores. Após a cirurgia, Marisa foi encaminhada para 12 sessões de imunoterapia. No último dia 9, ela comemorou a última sessão e postou um vídeo dela tocando um sino na clínica onde se trata.

"Este sino foi executado com toda a emoção e força que eu construí ao longo desta jornada. Nunca desista!", postou ela. Em seu Instagram Stories, ela registrou cada etapa das sessões sempre de forma bem-humorada.

Em outros posts, ela mostrou a rotina da internação, sempre buscando uma atitude positiva.

Com o fim do tratamento, ela vai aguardar novos exames para saber se a doença foi eliminada e quer seguir ajudando as pessoas a lidar com a doença.

"Sempre fui uma pessoa divertida, feliz e alegre, desde pequena. É apenas quem eu sou e não ser assim tira o âmago de quem eu sou. O câncer tirou muito de mim e eu não vou deixar isso me derrubar e me mudar".

Saúde