PUBLICIDADE
Topo

Drauzio: religião atrapalha toda vez que interfere em programas de saúde

Do UOL, em São Paulo

11/02/2020 00h15

O médico e escritor Drauzio Varella, entrevistado de hoje do Roda Viva, da TV Cultura, afirmou que religião não deve interferir em programas de saúde. Ele ainda falou sobre como os homens ficam "esquecidos" nas campanhas contra a gravidez na adolescência e salientou que a ciência é fundamental para o Brasil.

No programa, o médico elogiou o Sistema Único de Saúde (SUS) e analisou como a sociedade aprendeu sobre a epidemia da AIDS, apontando ser "crime" ir contra o uso da camisinha para se proteger de doenças sexualmente transmissíveis (DST).

"Acho que toda vez que a religião interfere em programas de saúde, atrapalha. Acho que tem direito de se manifestar, mas não definir estratégia, isso é coisa para técnicos fazerem", afirmou.

" Na época da epidemia de AIDS [nos anos 80], o papa da época se manifestou claramente contra o uso de preservativo. Um crime que a igreja católica cometeu. Uma doença sexualmente transmissível, uma epidemia mundial, que se transmite por sexo e que a camisinha protege, você ir contra o uso é um crime, não tem outro nome", acrescentou.

O descuido com a ciência

Drauzio foi questionado sobre declaração recente do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que disse que uma pessoa portadora de HIV é "despesa para todos no Brasil", e de figuras do governo que rebatem a ciência e o desenvolvimento tecnológico.

"Bem não vai fazer [a falta de apoio]. O problema é que quando você tem pessoas despreparadas que assumem o poder, nas mais variadas áreas, elas se sentem inferiorizarias diante dos que tem cultura, os intelectuais, então elas perseguem", disse o médico.

"Tem sido assim o tempo inteiro", completou Drauzio, que afirmou que o Brasil tem profissionais capacitados para o desenvolvimento de novos medicamentos e tecnologia para melhorar a saúde pública, não sendo necessário buscar recursos no exterior.

"Tratam [o conhecimento] com desprezo, não dão valor. A ciência passa por isso. Você diz, 'olha, na Amazônia o satélite mostrou...' 'Satélite? Isso não vale nada'! É assim, um descrédito permanente e isso atrapalha, porque dificulta a adoção de políticas públicas. O Brasil não vai sair do estágio em que se encontra sem ciência e tecnologia", analisou.

https://noticias.uol.com.br/videos/2020/02/11/drauzio-varella-diz-que-gravidez-na-adolescencia-e-uma-realidade-na-qual-sociedade-fecha-os-olhos-04024D9C386CD4B96326.htm

Gravidez na adolescência

Outro tema abordado na entrevista de Drauzio Varella foi a gravidez na adolescência, e o médico abordou que raramente os homens são "lembrados" nos programas públicos. Para ele, o Brasil "fecha" os olhos para o tema e a falta de educação e uma estrutura familiar são fundamentais para os jovens.

"A gravidez na adolescência é uma realidade que a sociedade fecha os olhos, finge que não existe. [No total] 20% dos partos do SUS são de adolescentes, não é um número pequeno", analisou.

"Vejo na cadeia, menina que com 14 anos teve o primeiro filho, com 16 o segundo, com 17 o terceiro [...] Você vê que toda discussão de campanhas para gravidez na adolescência não fala dos homens. Os homens engravidam as mulheres e não tem nenhuma responsabilidade", complementou.

Para ele, três fatores fundamentais interferem o desenvolvimento de uma criança: infância desassistida, adolescência criada sem limites e convívio com pares violentos.

O médico ainda relatou suas experiências pessoais ao estudar famílias na periferia. "Você anda pela periferia, você entra nas casas e não tem homem. Às vezes é uma senhora com 50 e poucos anos, parece que tem 70, às vezes uma filha, duas filhas, e um monte de criança. Como essas crianças vão ter condição de se desenvolver?", disse.

Saúde