PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Covid-19: SP passa de 3 mil mortos e tem 86% dos leitos de UTI ocupados

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

06/05/2020 12h47Atualizada em 06/05/2020 15h13

São Paulo registrou 194 mortes nas últimas 24 horas e chegou a 3.045 óbitos por covid-19. De acordo com os dados divulgados hoje pelo governo paulista, os hospitais do estado estão com 86% dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) ocupados por pacientes infectados pela doença causada pelo novo coronavírus.

Os dados não se referem a mortes efetivamente ocorridas ontem, mas sim à soma de diagnósticos cujos resultados saíram nas últimas 24h.

A situação fez com que o governador João Doria (PSDB) decretasse luto oficial por tempo indeterminado no estado. Ele disse que tomou a atitude em homenagem aos mortos pela doença.

"O maior volume de mortos em uma circunstância em que, em menos de 60 dias, 3 mil vidas foram perdidas. Em respeito, o Diário Oficial virá com decreto de luto oficial em todo o estado, perdurando durante todo o período em que a pandemia durar", disse o governador em entrevista coletiva.

O número de leitos ocupados segue o mesmo divulgado ontem, mas a estabilidade não representa controle da situação. As secretarias estadual e municipal de Saúde abriram novas vagas nesta semana e elas já foram ocupadas. A avaliação das autoridades é que a repetição do percentual não significa que a covid-19 parou de avançar, mas que ela continua na mesma curva de crescimento e já ocupou os novos leitos.

Críticas a Bolsonaro

O governador de São Paulo voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Questionado sobre a taxa de isolamento social, que mais uma vez ficou em 47%, Doria negou que ter falado em flexibilização no estado tenha colaborado para o relaxamento das pessoas. Para ele, quem está dando mau exemplo é o presidente.

"O que tem estimulado lamentavelmente o relaxamento das pessoas é a conduta errática do presidente que, dando maus exemplos, todos os finais de semana sai para fazer passeios na Esplanada dos Ministérios ou em cidades satélites de Brasília", afirmou.

Coronavírus