PUBLICIDADE
Topo

Gilmar: Esconder dados de coronavírus é 'manobra de regimes totalitários'

O ministro Gilmar Mendes em sessão do STF (Supremo Tribunal Federal) realizada por videoconferência - Fellipe Sampaio /SCO/STF
O ministro Gilmar Mendes em sessão do STF (Supremo Tribunal Federal) realizada por videoconferência Imagem: Fellipe Sampaio /SCO/STF

Igor Mello

Do UOL, no Rio

06/06/2020 20h20

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federa), fez duras críticas ao fato de o Ministério da Saúde, a mando do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ter alterado a divulgação dos dados sobre a pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. As mudanças reduziram a transparência nas estatísticas oficiais brasileiras.

Segundo Mendes, "a manipulação de estatísticas é manobra de regimes totalitários". O ministro ainda alerta que "o truque não vai isentar a responsabilidade pelo eventual genocídio".

O Ministério da Saúde retirou do ar nesta sexta-feira (5) o site em que divulgava diversas estatísticas a respeito da epidemia de coronavírus no país. O portal só voltou ao ar neste sábado, com a retirada de uma série de informações antes divulgadas.

A página deixou de reunir os números consolidados sobre a doença e o histórico de sua evolução desde o primeiro caso brasileiro. Agora, o site apresenta apenas os dados incluídos nas últimas 24 horas na base de dados do governo —o que não significa que ocorreram de ontem para hoje.

O governo federal também alterou o horário de divulgação dos boletins diários sobre a doença: antes publicados entre 17h e 19h, agora os dados só são tornados públicos às 22h. Em entrevista coletiva na noite de sexta, Bolsonaro insinuou que a mudança no horário tinha como objetivo impedir que os telejornais noturnos —e em especial o "Jornal Nacional", da TV Globo— divulgassem os dados de vítimas da covid-19, como fazem diariamente.

"Acabou a matéria no 'Jornal Nacional'", afirmou, aos risos, o presidente, antes de tentar dar uma justificativa técnica para o atraso. "O público saberá julgar se o governo agia certo antes ou se age certo agora. Saberá se age por motivação técnica, como alega, ou se age por propósitos que não pode confessar mais claramente."

Neste sábado, o presidente mudou o tom e, em suas redes sociais, afirmou que a determinação tinha como objetivo melhorar a qualidade dos dados divulgados.

"Para evitar subnotificação e inconsistências, o @minsaude optou pela divulgação às 22h, o que permite passar por esse processo completo. A divulgação entre 17h e 19h, ainda havia risco subnotificação. Os fluxos estão sendo padronizados e adequados para a melhor precisão", escreveu.

Saúde