PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
7 meses

Butantan antecipará em 1 mês entrega de 54 mi de doses da vacina, diz Doria

Rafael Bragança e Allan Brito

Do UOL, em São Paulo, e colaboração para o UOL

17/02/2021 12h59

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse hoje que o Instituto Butantan antecipará em um mês a entrega de 54 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde. O início da distribuição nacional estava previsto para o final de setembro, mas agora a instituição ligada ao governo paulista pretende fazer a última entrega de doses da vacina contra a covid-19 ao governo federal no final de agosto.

Os 54 milhões de doses se somam aos 46 milhões de doses que a pasta chefiada pelo ministro Eduardo Pazuello já havia contratado para o início do plano nacional de vacinação. O Ministério confirmou a compra que totaliza 100 milhões de doses da CoronaVac ontem, antecipando uma decisão que podia tomar por contrato até o final de maio.

"O governo de São Paulo e o Butantan vão antecipar a entrega de 54 milhões de doses para o Ministério da Saúde. Inicialmente prevista para setembro, essas doses serão entregues até o final de agosto", afirmou Doria durante entrevista coletiva sobre a pandemia, realizada hoje no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista.

"O Butantan está trabalhando 24 horas, sete dias [por semana], para produzir vacinas que estão imunizando os brasileiros. Quero mencionar que nove em cada dez brasileiros estão sendo vacinados com a vacina do Butantan. Agora conseguimos, graças ao trabalho do Butantan, antecipar em um mês a entrega das vacinas para o Ministério da Saúde", completou o governador.

Segundo o diretor do Butantan, Dimas Covas, o instituto passará a liberar, a partir da próxima terça-feira (23), 426 mil doses por dia da vacina para o Ministério da Saúde. "Em 8 dias, vamos chegar aos 3,4 milhões. Isso é só primeira entrega, continuamos e espero não parar mais. Vamos escalar a produção e a partir de abril vamos dobrar, porque vamos usar fábrica que está sendo usada para vacina da gripe", disse ele.

As vacinas serão fundamentais para dar continuidade à imunização em cidades que já paralisaram a campanha pela falta de doses, como o Rio de Janeiro.

Mais vacinas

Com a vacina produzida pelo Butantan sendo a maior fornecedora do plano nacional de vacinação contra a covid-19, Doria fez um apelo ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a aquisição de mais imunizantes. Segundo o governador paulista, o Ministério da Saúde "errou feio" ao não se antecipar para garantir mais vacinas.

Atualmente, além dos 9,8 milhões de doses entregues até agora pelo Butantan ao Ministério, o governo federal distribuiu também mais 2 milhões de doses da vacina do laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Há uma previsão de importação de mais 2 milhões de doses da Índia, mas ainda sem data de chegada das vacinas.

"Quero dizer que o Brasil errou feio por não ter feito a opção para várias vacinas. Argentina, Colômbia, Chile e Peru fizeram isso. Sem contar países do hemisfério norte, que hoje têm até seis vacinas. O Brasil fez uma opção errada por apenas uma vacina. Não fosse nosso esforço e de São Paulo e a capacitação do Butantan, até hoje não teríamos vacinação no Brasil", disse Doria.

"O Ministério da Saúde precisa viabilizar mais vacinas. Não apenas a vacina do Butantan", acrescentou o governador. "Faço apelo como governador para que o Ministério da Saúde viabilize e disponibilize vacinas para todos os governos estaduais. É inaceitável [haver] capitais que não têm mais vacinas."

Doria antecipou que fará a cobrança hoje diretamente a Pazuello, já que os governadores se reunirão de forma remota com o ministro.

Coronavírus