PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Cidades 'mais ricas' e populosas têm maiores taxas de mortes por covid

Ônibus lotado provoca aglomeração de passageiros em Madureira, zona Norte do Rio, em fevereiro de 2021 - JORGE HELY/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Ônibus lotado provoca aglomeração de passageiros em Madureira, zona Norte do Rio, em fevereiro de 2021 Imagem: JORGE HELY/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Igor Mello

Do UOL, no Rio

06/09/2021 04h00

Ao contrário do que poderia se esperar, cidades com economia pujante tiveram os piores resultados no combate à covid-19. A conclusão é de um estudo do Instituto Votorantim sobre a vulnerabilidade dos municípios brasileiros durante a pandemia.

De acordo com o levantamento, há forte correlação entre dados socioeconômicos e taxas de letalidade pelo novo coronavírus em cidades brasileiras. Quanto melhor o desempenho em indicadores como PIB (Produto Interno Bruto) per capita, percentual da população empregada e média salarial dos trabalhadores mais mortes por covid ocorreram proporcionalmente.

O mesmo se viu em relação aos municípios mais populosos e com maior densidade populacional.

Outros fatores, como maior número de idosos e de pessoas em situação de vulnerabilidade social, também contribuíram para elevar as taxas de mortalidade no país, explica Rafael Gioielli, gerente-geral do Instituto Votorantim.

Na prática, onde havia uma pujança econômica maior a população ficou mais exposta. As pessoas seguiram trabalhando durante a pandemia. E, obviamente, estando mais expostas ao vírus, se contaminaram e morreram mais."
Rafael Gioielli, gerente-geral do Instituto Votorantim

Ranking de eficiência contra pandemia

Um dos indicadores criados no estudo é o Índice de Eficácia no Enfrentamento da Pandemia de Covid-19. Com base nas características da população, da economia e da rede de saúde de cada município, os pesquisadores estimaram quantas mortes seriam esperadas em cada um deles, considerando a média brasileira.

Cidades que tiveram menos óbitos que o projetado tiveram melhores notas e foram consideradas eficientes. Já as que tiveram letalidade maior do que a prevista foram consideradas ineficientes.

Entre as capitais, Florianópolis, São Paulo, Palmas, Belo Horizonte e Curitiba foram as mais eficazes no enfrentamento à doença.

Em sentido oposto, Cuiabá, Manaus, Porto Velho, João Pessoa e Rio de Janeiro foram as mais ineficientes.

Tabela com o Ieep - Arte/UOL - Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Leitos x Flexibilização na pandemia

Outro ponto revelado pelo levantamento é que uma maior infraestrutura de saúde —como número de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e de enfermaria— teve impacto negativo no total de mortes.

Na visão dos pesquisadores, isso ocorreu porque muitos estados e municípios usaram a taxa de ocupação de leitos como critério para manter o funcionamento de atividades econômicas, o que teria facilitado a transmissão do vírus.

"Quando havia mais leitos, se foi mais tolerante [com a circulação de pessoas]. E com mais tolerância se permitiu taxas de infecção maiores", explica Gioielli. "Governos abriam e fechavam leitos mais para controlar suas políticas de restrição, do que assegurar a não-infecção da população."

O estudo usa esse indicador para calcular o IVM (Índice de Vulnerabilidade dos Municípios), que procura projetar as cidades mais propensas a sofrerem com a covid-19 daqui em diante. O estudo pode ser consultado no site do instituto.

O IVM mostra que várias das cidades mais vulneráveis à covid-19 daqui para frente tem justamente o perfil de serem populosas e ficarem na periferia de grandes centros urbanos —São João de Meriti (RJ), Guarapari (ES), Belford Roxo (RJ), Ilhéus (BA) e Carapicuíba (SP) estão no topo desse ranking, por exemplo.

Responsabilidade compartilhada

Uma série de fatores ajudam a explicar as razões que ampliaram a letalidade, com responsabilidades do governo federal, estados e municípios.

De acordo com Gioelli, a primeira questão foi a falta de coordenação por parte do Ministério da Saúde. Isso influenciou negativamente uma série de pontos cruciais no combate à pandemia, como a realização de testagem em massa, compra de insumos e definição de protocolos de atendimento a doentes.

Já por parte de estados e municípios, houve falhas em uma série de políticas públicas voltadas a manter o isolamento social.

"A gente teve municípios que foram menos tolerantes ao risco, e outros que foram mais. A questão do transporte público, o funcionamento do comércio, o número de atividades econômicas consideradas essenciais, restrição de horários de funcionamento, fiscalização das normas sanitárias [tiveram peso]. Também há a questão dos programas e políticas focados em populações vulneráveis, como nas favelas", diz.

Manaus foi exemplo de ineficiência

Segunda capital mais ineficiente no combate à pandemia, Manaus protagonizou as cenas mais dramáticas da pandemia no país. Em janeiro, centenas de pessoas morreram em hospitais da capital amazonense por falta de oxigênio na rede de saúde local.

As causas do desabastecimento foram um dos pontos investigados pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19 no Senado.

Segundo Gioelli, a cidade resume "o que não fazer" no enfrentamento ao coronavírus no futuro.

"Lá faltou orientação, medidas preventivas de restrição à circulação, faltou fiscalização, houve falta de insumos. Tudo isso se conseguiria antecipar com coordenação e planejamento."

Saúde