PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Covid: 136,6 milhões de brasileiros completam vacinação, 64% da população

Brasil já conta com mais de 136,6 milhões de pessoas com vacinação completa contra a covid-19 - FERNANDO SILVA /IMMAGINI/ESTADÃO CONTEÚDO
Brasil já conta com mais de 136,6 milhões de pessoas com vacinação completa contra a covid-19 Imagem: FERNANDO SILVA /IMMAGINI/ESTADÃO CONTEÚDO

Ricardo Espina

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/12/2021 20h00Atualizada em 04/12/2021 22h50

Mais de 136,6 brasileiros já completaram a vacinação contra a covid-19, como mostra o boletim divulgado hoje pelo consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte. No total, 136.640.850 pessoas foram imunizadas com a segunda dose ou a dose única, o equivalente a 64,06% da população do país. Os dados foram fornecidos pelas secretarias estaduais de saúde.

Houve 344.179 aplicações de segunda dose em todo o país entre ontem e hoje. Também foram vacinadas 107.527 pessoas com a primeira e outras 235.166 com a de reforço no mesmo intervalo de tempo, totalizando 686.193 doses aplicadas nas últimas 24 horas.

Devido a uma recontagem nos dados de vacinação em Roraima, o total de doses únicas aplicadas no Brasil nas últimas 24 horas ficou negativo: -679

Desde meados de janeiro, quando começou a campanha de vacinação contra a covid-19 no Brasil, 159.638.745 habitantes tomaram a primeira dose, o correspondente a 74,84% da população nacional. Quanto às doses de reforço, já foram aplicadas 17.762.278 até o momento.

Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais e Paraná não informaram dados atualizados sobre a vacinação até o horário de fechamento do boletim do consórcio, às 20h.

Com 76,16%, o estado de São Paulo apresenta a maior parcela da população com vacinação completa. Mato Grosso do Sul (70,5%), Rio Grande do Sul (69,12%), Santa Catarina (68,64%) e Paraná (67,42%) vêm a seguir.

Em termos percentuais, os paulistas também lideram quanto à aplicação da primeira dose: 81,62% de seus habitantes. Santa Catarina (78,48%), Rio Grande do Sul (78,22%), Paraná (77,75%) e Minas Gerais (76,91%) completam os cinco primeiros.

Paes cancela Réveillon no Rio, mas Castro fala em reunião por decisão final

Horas depois de o prefeito Eduardo Paes (PSD-RJ) anunciar o cancelamento do Réveillon no Rio de Janeiro, o governador do estado, Cláudio Castro (PL-RJ), escreveu no Twitter que uma reunião na próxima semana será a responsável por uma "decisão final" sobre as festas de Ano Novo na cidade.

Mais cedo, Paes disse que a decisão foi tomada após manifestação do comitê científico do estado recomendando que a tradicional festa na praia de Copacabana não fosse realizada por causa da preocupação com a variante ômicron. O prefeito disse que queria fazer o evento e tinha o aval do comitê municipal, mas que decidiu seguir a orientação mais restritiva do governo estadual e cancelar a festa.

"Falei há pouco com o prefeito Eduardo Paes e decidimos, juntos, que faremos uma reunião na próxima semana para uma decisão final sobre as festas do Réveillon. Nesse encontro, participarão técnicos da saúde do Estado e do município", escreveu Castro.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, g1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus