África pode ter 'camisinha invisível'

Da Redação
Em São Paulo

O Reino Unido lançou nesta terça-feira um programa de cinco anos com cinco países africanos para descobrir um gel ou creme eficaz para prevenir a aids e outras doenças sexualmente transmissíveis.

O Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID, na sigla em inglês) afirmou que vai financiar o projeto de US$ 23 milhões envolvendo a África do Sul, Tanzânia, Uganda, República dos Camarões e Zâmbia, para tentar encontrar o tipo correto de microbicida, que funcionaria como uma camisinha invisível.

"Precisamos aumentar a oferta de produtos disponíveis que dêem à mulher a possibilidade de se proteger contra o HIV de forma que ela mesma possa ter o controle", disse a secretária de Estado para o Desenvolvimento Internacional, Clare Short. "Um microbicida eficaz, acessível em países pobres, seria muito útil."

Um microbicida pode ser um gel, um creme ou um supositório vaginal que dê à mulher garantia de proteção. O DFID afirmou que o produto seria uma arma muito importante em países pobres, onde os homens não consideram prioritário o uso de preservativos.

O HIV/Aids é a maior causa de mortes na região da África subsaariana, onde 28 milhões de pessoas têm a doença. Na África, há 2 milhões de mulheres mais infectadas do que homens. Os anti-retrovirais podem prolongar a vida das vítimas, e um microbicida poderia ser uma forma de as mulheres se protegerem contra infeções.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos