Seja ministro da Fazenda em jogo eletrônico

Da Redação
Em São Paulo

Os brasileiros que gostam de dar palpites sobre economia agora podem testar se sabem mesmo das coisas brincando de ser ministros da Fazenda durante parte da década de 90, em especial na época do Plano Real. Tudo em um jogo eletrônico criado pelo professor Paulo Sandroni, da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

"O jogo é em síntese uma ferramenta didático-pedagógica, mas pode ser também utilizado como entretenimento e diversão", explicou Sandroni.

Para driblar os percalços da economia, o jogador pode aumentar a taxa de juros, sem esquecer que isso causa recessão, ou desvalorizar o real, o que leva à inflação. Mas o "ministro" perde o cargo se deixar a inflação anual atingir 10% ou se a recessão chegar a 3%.

O simulador da economia envolve situações como as crises do México, da Ásia e da Rússia e a quebra dos bancos Nacional e Econômico, além de socorro ao Banco do Brasil e uma "antecipação" da desvalorização do peso na Argentina. "Um ataque especulativo que pode ocorrer a qualquer momento", alerta.

Para ajudar o "ministro" a tomar decisões estão disponíveis informações sobre a evolução das dívidas externa e interna, câmbio, juros, reservas e poupança do governo.

O professor conta que a motivação para criar o game veio da observação de que seus alunos costumavam jogar cartas nos centros acadêmicos. Ele entendeu que usando um jogo com funcionamento parecido com truco ou pôquer seria mais fácil ensinar conceitos de economia aos estudantes.

"A tarefa de um professor se tornaria mais interessante e divertida (para ambos)", disse Sandroni. "A fixação de conceitos é mais fácil, os alunos jogam por prazer".

Segundo o professor, mesmo quem não conhece economia pode jogar desde que leia com atenção as instruções, as regras e os fundamentos. Os jogadores também podem recorrer a um glossário que explica os conceitos.

Para elaborar o jogo, Sandroni contou com muitas sugestões de seus alunos. A mais interessante na opinião do professor foi a de um estudante que, diante da alternativa de negociar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para superar uma crise, disse: "mas eu não quero negociar com o FMI!". Isso fez com que fosse incluído um botão "Fora FMI!" no jogo.

A JD Multimídia fez uma tiragem inicial de 1.500 exemplares do jogo em CD-Rom, que pode ser comprado pela Internet por R$ 19. Provavelmente será lançada uma segunda edição ainda no primeiro semestre.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos